Páginas

Encontre o (a) Santo (a), Beato (a), Venerável ou Servo (a) de Deus

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

SANTOS POPULARES: "Bento do Portão", conhecido no bairro Santo Amaro, São Paulo.



Antônio Bento tornou-se figura de devoção em Santo Amaro. Bento do Portão como se tornou conhecido, viveu em boa parte de sua existência em Santo Amaro espalhando bondade, com labor da vida diária, ora carregando lenha, fonte de energia local e da cidade como um todo, ora sendo o “agueiro” recolhido das minas d’água da Iguatinga, recebendo as benesses populares desta labuta, tendo como “morada” o portão do Cemitério de Santo Amaro ou acomodava-se diante da ombreira e verga das grandes portas das residências dos domicílios de onde usufruísse de seu sustento... Mais um santo popular, que talvez nunca seja beatificado ou canonizado, visto que o Brasil, infelizmente, é a terra do “esquecimento” de seus santos. Se tivesse vivido na Itália, por exemplo, muito possivelmente já seria um Servo de Deus ou até mesmo um Venerável... Quem sabe?


Antônio Bento, mais conhecido como Bento do Portão, nasceu na Bahia no dia 29 de janeiro de 1875. Segundo relatos de moradores mais antigos, Bento veio a pé do estado baiano até chegar em Santo Amaro (antiga cidade que depois passou a ser considerada bairro na capital paulista).

Inicialmente, foi acolhido pela fazendeira Isabel Schimidt que lhe trazia café com pão para se alimentar de manhã e no decorrer do dia quando tinha fome, ele sentava nos degraus das casas enquanto aguardava por um prato de comida, por isso, passou a ser conhecido como Bento do Portão.

Muitos o consideravam um mendigo e chegavam a maltrata-lo, cuspiam e diziam que era feiticeiro, mas na verdade era uma pessoa muito simples e bondosa que sempre retribuía quando recebia alimentos ou roupas. Era comum vê-lo trazendo latas d´água ou feixe de lenhas que eram deixadas nas portas das casas em agradecimento de quem o ajudava.

Era muito procurado por ser curandeiro (* vide nota abaixo). Recebia o que a pessoa pudesse pagar, às vezes com cigarro de palhas ou simplesmente ganhava balas. A noite dormia em um pequeno quarto de cortiço, onde tinha um matadouro e que hoje é o endereço do Shopping Boa Vista.

No dia 29 de junho de 1917, com 42 anos, Bento falece próximo à entrada principal do cemitério de Santo Amaro e a causa da sua morte é desconhecida. Seu corpo foi encontrado pela mesma Isabel Schmidt que vinha todas as manhãs e foi através dela que a administração do cemitério cedeu um espaço, para que, ele fosse sepultado em um lugar tranquilo.

Passado três anos de sua morte, uma senhora que já o conhecia por ser "curandeiro", foi diagnosticada com diabete e necessitando amputar as pernas, recorreu a Bento em oração pedindo ajuda, quando retornou ao hospital para seguir com a amputação, foi informada pelos médicos que não teria necessidade, sendo este considerado um dos primeiros relatos de cura realizado por Bento do Portão.

Outro relato diz que, após sete anos enterrado, ao ser feita à exumação de seu corpo, este se encontrava intacto, sem nenhum sinal de decomposição. Logo começou a propagação e seu túmulo seria um local de peregrinação com cada vez mais devotos agradecendo as graças alcançadas e Bento do Portão tornou-se uma figura de devoção, um santo não reconhecido pela Igreja Católica, mas popularizado pelos diversos milagres atribuídos a ele desde então.



Em 2002, ganhou uma lapide de um senhor português e a administração do cemitério negociou com os familiares dos sepultados para ceder um espaço onde seria construído um memorial para Bento. Todos materiais utilizados: telhas, ferros, cimentos, pedras... foram doados por devotos e a inauguração ocorreu no dia 8 de Julho de 2002, e durante a cerimônia dezenas de pessoas, além de autoridades locais e famílias tradicionais santamarenses compareceram para prestar homenagem em sua memória. Além da sepultura o lugar tem uma cobertura e velário destacado em meio à paisagem do cemitério, no ambiente interno as paredes são compostas por centenas de placas agradecendo pelas graças alcançadas.

Segundo os administradores, estima-se que cerca de 700 pessoas  (*) visitem o mausoléu mensalmente. Todas as segundas-feiras, sempre ao meio dia, seus devotos costumam fazer orações e levam rosas ou flores do campo para enfeitar o túmulo, e depois aproveitam a água dos vasos considerada “benta” para beber e banhar-se com ela.


(*) Notas: 
1. Chamamos aqui no Nordeste os “curandeiros populares” de “rezadores” ou “benzedores”, sendo mais comum tal prática por parte de mulheres do povo ou líderes comunitárias, as “rezadeiras” ou “benzedeiras”. A “reza” é um costume antigo. Não tem nada a ver com umbanda ou candomblé. As “rezas” são orações simples que impetram a cura, especialmente, de crianças doentes, cujas mães creem terem sido vítimas do “quebrante”, “mal olhado” ou “olho gordo”. A Igreja não apoia essa prática, porém, também não a condena, visto que é tradição ou costume popular.
2. Lamentavelmente, ocorreu a intrusão de pessoas não diria "maldosas", mas, ignorantes e mal orientadas, na devoção ao Bento do Portão: fanáticos que seguem um cidadão que se diz "profeta" ou "iluminado" que assumiu praticamente a "liderança" da devoção popular praticando cultos à margem da Igreja Católica. Há, inclusive, certa intrusão de indivíduos praticantes de cultos de origem africana. Uma grande pena! Infelizmente, no Brasil isso é muito comum. O que certos padres católicos muitas vezes não aproveitam ou valorizam, outros vem e tomam o espaço, como é o caso do uso de certos ritos e sacramentais originalmente católicos que são "aproveitados" por algumas igrejas pseudo-evangélicas como é o caso da Universal: uso de água, óleo ou fogo "abençoados", por exemplo... 


2 comentários:

Marlene Landim disse...

Gostei de saber desta historia.. A partir de hoje rezarei pela alma deste santo homem... e pedirei a itercessao dele..junto a Jesus.. Assim como dizem q a historia do Negrinho do Pastoreio é uma Lenda, mas pode tbm ser verdade e eu rezo pela alma dele.. Sou catolica desde que nasci fui educada em colegio interno de freiras e ñ tenho superstiçao. Mas acredito nas boa almas e que possivelmente elas viram Santos...

Marlene Landim disse...

Gostei de saber desta historia.. A partir de hoje rezarei pela alma deste santo homem... e pedirei a itercessao dele..junto a Jesus.. Assim como dizem q a historia do Negrinho do Pastoreio é uma Lenda, mas pode tbm ser verdade e eu rezo pela alma dele.. Sou catolica desde que nasci fui educada em colegio interno de freiras e ñ tenho superstiçao. Mas acredito nas boa almas e que possivelmente elas viram Santos...

Postar um comentário