Páginas

sábado, 2 de abril de 2016

SÃO JOÃO DE ÁVILA, Presbítero e Doutor da Igreja.





Conselheiro de Bispos e nobres, pregador, diretor de almas, coluna da Igreja e um dos paladinos da Contrarreforma católica no século XVI, São João de Ávila pode ser chamado pai espiritual de grande número de Santos na Espanha de sua época.


De repente, ouve-se na igreja um soluço que mais parecia um rugido: um homem de grande porte sai do templo, onde predica o Pe. Mestre Ávila na festa de São Sebastião, dando fortes pancadas no peito compungido: era o futuro São João de Deus.

Esse foi um dos esplêndidos frutos da pregação ardente e sobrenatural de São João de Ávila, o qual figura entre os maiores santos espanhóis de sua época, com Santo Inácio de Loyola e Santa Teresa de Jesus.


* * *

João de Ávila (1) nasceu no ano de 1500 na pequena cidade de Almodóvar del Campo, na Diocese de Toledo. Seus pais, Alonso de Ávila e Catarina Xixón, eram “dos mais honrados e ricos do lugar”. O pai descendia de “cristãos novos” (judeus convertidos).

Precoce na inteligência e piedade, notava-se nele desde menino uma já notável mortificação, muita propensão para a oração, devoção profunda ao Santíssimo Sacramento e um amor especial pelos pobres.

Aos 14 anos foi mandado para a famosa Universidade de Salamanca para estudar Direito. Não terminara ainda esse curso quando, sentindo um apelo especial de Nosso Senhor para Seu inteiro serviço, abandonou o estudo voltando para casa. Nela permaneceu três anos em grande recolhimento, oração, penitência e frequência aos Sacramentos. Passava várias horas do dia em adoração diante do Sacrário.

Seu intenso amor de Deus dirigiu-o, enfim, ao sacerdócio, pelo desejo de atrair o maior números de pecadores a seu Criador. Continuou assim seus estudos na não menos famosa Universidade de Alcalá, onde foi discípulo do renomado Domingos de Soto, que predisse ao seu aluno um brilhante futuro.

No dia de sua ordenação, o Pe. João de Ávila vestiu e serviu com as próprias mãos refeição a 12 mendigos em honra dos Apóstolos. Único herdeiro da grande fortuna dos falecidos pais, vendeu tudo, distribuindo o obtido aos necessitados. Desde então passaria a viver de esmolas.

Começou então “uma vida austeríssima, de grande recolhimento e mortificação, dada à oração e favorecida com extraordinárias visões e revelações” (2). “Às mortificações do corpo, juntava as do espírito. Morria todos os dias para si mesmo pela prática de uma renúncia absoluta, de uma humildade profunda e de uma inteira obediência” (3).



Apóstolo da Andaluzia

Sedento de almas, o jovem sacerdote dirigiu-se a Sevilha com o intuito de embarcar para as Índias, a fim de converter a multidão de pagãos que morria sem conhecer o verdadeiro Deus. Enquanto esperava a partida, um dia em que celebrava a Missa e pregava em uma paróquia da cidade, foi ouvido pelo Servo de Deus, Pe. Fernando de Contreras. Vendo o grande tesouro espiritual que se encerrava naquele sacerdote de aspecto humilde e mortificado, quis saber de quem se tratava. Conhecendo assim o projeto do Pe. João de Ávila, pediu o referido Pe. Fernando ao Grande Inquisidor que ordenasse ao sacerdote, em nome da santa obediência, que permanecesse na Espanha, onde poderia obter também imensos frutos. Dessa forma começava sua carreira apostólica o grande Apóstolo da Andaluzia.



“O Espírito Santo fala por sua boca”

São João de Deus: sua conversão operou-se durante um sermão de São João de Ávila. Como pregador, o Pe. Ávila adquiriu logo grande renome. Escolheu São Paulo como modelo e patrono. Preparava-se para cada sermão com muita oração e penitência, a fim de obter que a graça divina o assistisse e a seus ouvintes.

Aos poucos a fama do novo pregador espalhou-se por toda a Andaluzia. “Sua popularidade é extraordinária. Quando prega, lotam-se as igrejas e tem que fazer seus sermões nas praças públicas” (4). “Dir-se-ia que o Espírito Santo falava por sua boca, de tal modo seus sermões estavam cheios desses traços de fogo que convertem e mudam os corações. Ele retirava do vício aqueles que nele estavam enchafurdados, e confirmava no bem aqueles que não se tinham desviados das vias da justiça” (5).

Não é de admirar que, durante seus sermões “até os rapazes que o ouviam, choravam; e quando terminava o sermão, era coisa maravilhosa ver as pessoas que o seguiam beijando-lhe as mãos e a roupa e mesmo os pés, se não houvera impedido” (6).

Os sermões do Pe. Mestre Ávila tornaram-se tão famosos, que as pessoas dirigiam-se já de madrugada às igrejas onde ia pregar, para obter um bom lugar. Às vezes, sendo pequena a igreja, ele tinha que pregar nas praças públicas. E, lotando-se estas, as pessoas subiam até nos telhados das casas para ouvi-lo, ficando por mais de duas horas presos às suas palavras.


Ante o Tribunal da Santa Inquisição

Naquela época em que toda a Europa era abalada por cismas e pseudo-reformadores, e na própria Espanha uma seita, a dos iluminados, sob aparências de alta virtude, enganava muita gente piedosa, o Santo Tribunal da Inquisição estava muito ativo para opor-se a qualquer novidade duvidosa. Fala a favor dessa instituição tão caluniada, o fato de que vários Santos, acusados por inimigos, foram a ela levados, julgados e, evidentemente, inocentados. Assim sucedeu com Santo Inácio de Loyola e com a grande Santa Teresa de Jesus.

Da mesma forma coube ao santo Mestre Pe. Ávila a glória de ser acusado por invejosos perante o temível Tribunal, e de permanecer nele preso enquanto corria seu processo. Nesse isolamento concebeu uma de suas mais famosas obras: Audi, Filia (Ouve, Filha) escrita para uma de suas dirigidas a quem desejava elevar a eminente santidade.

Evidentemente, foi comprovada a inocência do Santo, fazendo tal evento brilhar mais sua ortodoxia.



Conselheiro de Prelados e correspondência com Santos

Para sustentar os inúmeros discípulos que se formaram a seu redor, o Pe. Mestre Ávila dedicava boa parte de seu tempo à correspondência e a escrever obras espirituais.

Diz o grande teólogo Frei Luís de Granada que “as cartas lhe chegavam de todas as partes da Espanha. E, em seus últimos anos, era ele conselheiro nato de vários prelados, como o Arcebispo de Granada, D. Pedro Guerrero, D. Cristóbal de Rojas, bispo de Córdoba e D. Juan de Ribera, bispo de Badajoz e mais tarde arcebispo de Valência” (7). Este último seria também elevado à honra dos altares.

São João de Ávila manteve correspondência com quase todos os Santos espanhóis contemporâneos seus, como São Pedro de Alcântara, Santo Inácio de Loyola, Santa Teresa de Jesus, São Francisco de Borja e São João de Ribeira.

Humildade do Santo em face de Santo Inácio

Se bem que o Pe. Mestre de Ávila tenha atraído muitos discípulos, não formou ele nenhuma Ordem religiosa. Mas, ao conhecer melhor a Companhia de Jesus, disse ao jesuíta Pe. Villanueva: “Isso é o que eu andava atrás há tanto tempo. E agora me dou conta de que não me saía porque Nosso Senhor havia encomendado esta obra a outro, que é vosso Inácio, a quem tomou por instrumento do que eu desejava fazer e não conseguia” (8).

Santo Inácio o tinha em alta conta, escreveu-lhe diretamente, e ordenou aos seus representantes na Espanha – inclusive a São Francisco de Borja que acabara de ser recebido na Companhia – que visitassem o Pe. Mestre de Ávila e tudo fizessem para atraí-lo para sua Ordem. O Mestre Ávila respondeu diretamente a Santo Inácio que estava disposto a nela entrar se não estivesse constantemente tão doente. Mas aconselhou a trinta dos seus melhores discípulos que o fizessem. Doou à Companhia de Jesus vários dos colégios por ele fundados, e quis ser enterrado na igreja da Ordem em Montilla.

Os jesuítas da Espanha tinham por ele grande veneração, consultavam-no em casos difíceis, e o assistiram em seu leito de morte.


Plêiade de discípulos admiráveis

Aos poucos, muitos discípulos, atraídos por sua santidade, haviam se reunindo em torno do Pe. Mestre Ávila. Inúmeros leigos, alguns da alta nobreza, também se puseram sob sua direção. Houve casos, como o da Condessa Ana Ponce de León, em que não só a castelã, mas todas suas donzelas de serviço entregaram-se definitivamente a uma vida verdadeiramente religiosa. Três de suas convertidas, por ele dirigidas, morreram em odor de santidade, tendo sido favorecidas com grandes graças místicas.

Outro grupo de discípulos seus, liderados pelo Servo de Deus Pe. Mateus de la Fuente, dedicou-se à vida contemplativa como solitários junto ao monte Tardón, restaurando depois na Espanha a primitiva Ordem de São Basílio. Outros ainda aderiram à reforma de Santa Teresa, vindo a tornar-se proeminentes Carmelitas Descalços. Um terceiro grupo, infelizmente, veio a ser o desgosto de sua vida. Entregues estes membros também à vida contemplativa, apesar das admoestações veementes e enérgicas do Santo --- que via o perigo que corriam por buscar o deleite espiritual pelo deleite em si -- dele se afastaram, acabando por seguir a seita dos iluminados e serem condenados pela Inquisição.

Vocação especial diante do sofrimento
A partir dos 50 anos, ou seja, nos últimos 19 anos de sua vida, o Pe. Mestre João de Ávila esteve sempre doente, algumas vezes impossibilitado mesmo de levantar-se, seja com alta febre, seja com terríveis dores renais (descobriram-se três pedras em seus rins, depois de sua morte). Nem por isso deixava de atender aos inúmeros visitantes ou de ditar cartas para os seus dirigidos. À primeira melhora, já estava no púlpito.

“Sua ânsia pelo martírio se satisfazia no leito de dor, e constantemente repetia: ‘Senhor meu! Cresça a dor, e cresça o amor, que eu me deleito em padecer’”. Quando as dores eram mais insuportáveis, bem espanholamente exclamava: “Senhor: mais mal, e mais paciência”. E, também: “Fazei comigo, Senhor, como faz o ferreiro: mantende-me com uma mão, e batei-me fortemente com a outra” (9).

Às dores abdominais, acrescentaram-se, nos meses anteriores à sua morte, outras agudíssimas no ombro e lado esquerdo das costas. No mês de março, o médico, como verdadeiro católico, lhe disse: “Senhor, agora é o tempo em que os verdadeiros amigos digam as verdades: vossa reverendíssima está morrendo. Faça o que é necessário para a partida”. O Pe. Mestre Ávila elevou os olhos ao céu numa súplica à Santíssima Virgem, e pediu em seguida os Sacramentos que recebeu com a mais tocante piedade.

Aos sacerdotes da Companhia de Jesus que acorreram junto ao seu leito de morte, perguntou: “Padres meus: o que costumam dizer aos que serão enforcados ou queimados quando os acompanham ao patíbulo?”. Responderam eles: “Que ponham sua confiança em Deus e nEle confiem”. O moribundo então lhes suplicou: “Meus padres, digam-me então muito isso” (10).


Na madrugada do dia 10 de maio de 1569, o Pe. Mestre João de Ávila foi receber no céu “o prêmio demasiadamente grande que Deus reserva àqueles que O amam”. A uma discípula foi revelado por um anjo que sua alma não passara pelo Purgatório, mas fora diretamente para o Céu (11).

Santa Teresa de Ávila, que estava em Toledo na casa de Dona Luisa de la Cerda, quando recebeu a notícia pôs-se a chorar copiosa e sentidamente. Às Irmãs que lhe perguntaram a razão desse tão profundo pranto, uma vez que o Pe. Mestre de Ávila deveria já estar gozando de Deus, respondeu: “Disso estou bem certa. Mas o que me dá pena é que a Igreja de Deus perde uma grande coluna, e muitas almas, um grande amparo que tinham nele, que a minha, apesar de estar tão longe, o tinha por causa disso obrigação” (12).

Os desígnios de Deus são imperscrutáveis. Apesar de todos esses sinais e testemunhos universais de santidade, tendo partido para a eternidade em 1569, São João de Ávila foi beatificado por Leão XIII em 1894 (mais de três séculos após sua morte) e canonizado por Paulo VI em 10 de maio de 1970 (quase oitenta anos após a beatificação).  O Papa Pio XII, em 1946, proclamou-o patrono do clero secular espanhol. Sua inserção na lista dos Doutores da Igreja foi anunciada por Bento XVI na Jornada Mundial da Juventude em 2011.

____________________________

Notas

1- Tomamos como base para este artigo a biografia que aparece nas Obras Completas del Santo Maestro Juan de Avila, de autoria dos Pes. Luís Sala Balust e Francisco Martin Hernandez (Biblioteca de Autores Cristianos, Madrid, 1970). Esse livro tem como fundamento a primeira biografia do mesmo escrita pelo célebre teólogo e místico dominicano espanhol, Frei Luís de Granada, seu amigo íntimo; as declarações dos contemporâneos do Santo constantes nos processos visando sua beatificação; suas obras e correspondência. Para simplificação, as citações das mencionadas Obras Completas aparecerão como BAC e o número da página onde figuram.

2 - BAC, p. 37.

3 - Les Petits Bollandistes, Vies des Saints, Mgr Paul Guérin, Bloud et Barral, Libraires-Éditeurs, Paris, 1882, t. III, p. 292.

4 - BAC, p. 38.

5 - Les Petits Bollandistes, op. cit., p. 293.

6 - BAC, p. 38.

7 - BAC, pp. 264/265.

8 - Idem, p.158.

9 - Idem, p. 331.

10 - Idem, p. 334.

11 - Cfr. id., p. 339.

12 - Pe. Diego de Yepes, Vida, virtudes y milagros de la Bresa de Jesús , apud BAC, p. 340.



(FONTE: Autor: Afonso de Souza; Site Catolicismo) 

Nenhum comentário:

Postar um comentário