Páginas

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Madame Elisabeth, o "Anjo da Corte", a "Princesa Esquecida".


   
                                 
A Revolução Francesa foi uma terrível cicatriz na face da Cristandade. Numerosos relatos contam com brilho a vida das pessoas envolvidas: o Rei e a Rainha da França, os revolucionários, os pobres e o grande corpo da nobreza que sucumbiu na guilhotina. Deixando-os por um momento à parte, vamos descobrir no ponto bem central da tragédia caótica a existência de um anjo – um anjo humano criado do mais nobre sangue na França: Madame Elisabeth, a Princesa real.


Elisabeth Filipina Maria Helena de França, nascida a 3 de maio de 1764, era a filha mais nova do Delfim de França, e neta de Luis XV. Seu pai, o Delfim Luis Ferdinando morreu inesperadamente antes que ela fizesse um ano de vida, e sua mãe, Maria Josefa de Saxe, faleceu um ano depois. Ela, sua irmã mais velha, Clotilde, e seus três irmãos – o novo Delfim (futuro Luís XVI), o Conde de Provença, e o Conde de Artois – ficaram órfãos.
As irmãs reais foram entregues aos cuidados da Condessa de Marsan, e esta boa dama dedicou longos anos à sua formação. A Princesa Elisabeth, diferentemente de sua dócil irmã, precisava de uma influência forte sobre ela, e por isso em 1770 uma nova governanta, a Baronesa de Mackau, foi nomeada para ajudar a excelente, mas idosa Madame de Marsan.
A Baronesa era uma mulher de alta virtude e grande bondade, e Elisabeth logo ficou encantada com ela. A nova governanta educou as princesas como se elas fossem suas filhas. Ela focalizou especialmente a pequena Elisabeth, que era conhecida por tremer de raiva diante da menor provocação.
Mas, a maior influência na vida de Elisabeth foi a religião. Foi a sua Primeira Comunhão que a modificou completamente.



O Anjo

Conforme os anos iam passando, a princesa crescia em piedade e charme. Ela não era exatamente bonita, mas sua frescura e alegria emprestavam a ela um tipo de beleza vibrante que falta a muitas beldades. Seu charme principal, entretanto, era seu devotamento infatigável e caloroso a todos aqueles que a rodeavam na vida diária. Para seu irmão, o Rei, ela professava uma afeição ilimitada, embora sua fraqueza a angustiasse. Ela o envolvia com seu devotamento, pairando sobre ele como um anjo guardião. Quando príncipes reais de paises estrangeiros pediram-na em casamento, ela recusou, preferindo ficar a seu lado.
 Quando ela atingiu uma certa idade, o protocolo da corte exigiu mais dela. No silêncio de sua alma, um protocolo diferente e mais forte a chamava, um chamado misterioso para a solidão e a oração. Ela passou a freqüentar mais o Convento de São Dionísio, onde sua tia era abadessa.
 Seu irmão, cada vez mais preocupado com o aumento da freqüência dessas visitas, afetuosamente disse a ela: "Nada me agrada mais do que vê-la visitando sua tia, mas não a imite. Elisabeth, eu preciso de você comigo". Ela já havia pressentido a sombra agourenta ameaçando a corte de seu irmão e sem dúvida isto fê-la apoiar o Rei mais do que inclinações pessoais.
Numa carta de uma pessoa amiga, seu sacrifício foi definido sucintamente: "Há vidas de abnegação tão valiosas quanto vocações monásticas; ações que superam o silêncio prescrito; obras de serviços aos outros que excedem as austeridades conventuais".
Seu devotamento à família real nunca vacilou: até sua morte a energia no serviço de todos provaria isto incessantemente. Quantos relatos foram deixados para a História que nos falam de seu desprendimento, suas boas obras, seus conselhos sábios, sua assistência bondosa onde quer que ela notasse sofrimento e angústia.
O Rei deu a ela uma propriedade, Montreuil, onde ela passava muitas horas, recebia algumas amigas e se dedicava às obras de caridade. Ela mantinha ali um estábulo com vacas que forneciam leite para os órfãos da vizinhança.
Contudo, suas boas obras somente refletiam sua espiritualidade profunda. Elisabeth atingia realidades sublimes com a facilidade da alma plena de amor. Em uma carta a uma amiga muito querida cuja mãe estava morrendo, sua pena ecoa o cântico de seu próprio coração: "Eu tenho vivido totalmente para Deus; eu me apresentei a Ele com muitas infidelidades, mas com muito amor e com um grande desejo de possuir a alegria reservada para aqueles que O serviram".
A Providência a preparou continuamente para a tragédia que viria.


A Revolução
A tempestade caiu sobre a França. As negras maquinações da Revolução atingiram não apenas as pessoas da realeza, mas todas as formas de nobreza. Em meados de agosto de 1792, a família real foi aprisionada na Torre do Templo, onde ficou até sua morte. O que foi relatado sobre a infeliz família real durante aquele período deveria ter causado indignação em todas as cortes da Europa. Enquanto eles esperavam sentados, uma das piores conspirações da História ameaçava a França e seu trono.
Madame Elisabeth recusou todas as propostas para fugir apresentadas por outros membros de sua família, a fim de ficar com seu irmão, e foi aprisionada com o Rei e sua família. Os poucos serviçais que puderam acompanhá-los foram diminuindo gradualmente. Com calculada intenção, algumas das criaturas mais vis da França foram designadas para vigiar os prisioneiros reais, causando-lhes humilhações e tormentos indizíveis.
A 21 de janeiro de 1793, o Rei foi guilhotinado, seguido pela Rainha Maria Antonieta em 2 de agosto. O Delfim, uma criança de oito anos, foi separado do resto da família, provavelmente morrendo de maus tratos e abuso.
Após a morte da Rainha, somente Madame Elisabeth e sua sobrinha de quinze anos, filha da Rainha, sobreviveram. Elas passaram o inverno e os vinte e dois meses seguintes num isolamento terrível, sendo seu único conforto a amorosa companhia que uma dava a outra. Madame Elisabeth com toda bondade distraia a jovem princesa no seu infortúnio e sofrimento. As memórias da princesa fornecem muito do que é conhecido da tragédia da família real, além de preciosas informações sobre o caráter e a piedade de Madame Elisabeth durante sua prisão.

Seu calvário
No meio da noite do dia 9 de maio de 1794, as princesas foram súbita e rudemente acordadas por seus carcereiros. Disseram para Madame Elisabeth se vestir rapidamente e para acompanhar os guardas. Sendo avisada de que não retornaria mais para a prisão da torre, Elisabeth abraçou e beijou a sobrinha, dizendo para ela ficar calma. "Os guardas acumularam-na de insultos e palavras vulgares", narra a princesa. "Ela suportou tudo isto com paciência, pegou sua touca, beijou-me novamente, e disse-me para ter coragem e firmeza, para confiar sempre em Deus. Ela então foi embora".
A Princesa não tinha dúvidas para onde a levavam. Naquela hora tardia, ela foi levada para a Conciergerie, o antigo palácio real transformado em lutuosa prisão. Ela então compareceu diante do tribunal revolucionário e foi "julgada" com outros vinte e três membros da nobreza. Os vinte e quatro prisioneiros foram condenados. Isto significava morte em 24 horas, após um período de torturas psicológicas. Eles foram deixados sozinhos no corredor onde os prisioneiros passavam sua última noite.
     Elisabeth foi então chamada a praticar um último ato de amor. Com inexprimível ternura e calma ela começou a dirigir-se aos seus companheiros diminuindo seus medos, consolando sua agonia pela transparência de sua serenidade. A branca silhueta da Princesa foi vista assim, passar a última noite de sua vida indo de um em um secando lágrimas, encorajando os medrosos, lançando sementes de esperança nos desesperados, elevando todos os corações para uma realidade superior: o Paraíso!
     Nos primeiros raios da aurora, as mulheres foram preparadas para terem seus cabelos cortados. As portas da prisão se abriram e as vítimas foram colocadas nas carroças. Os condenados partiram da Conciergerie às 16 horas. Eles se dirigiram para a Praça Luis XV.
     Todos estavam de pé, somente Madame Elisabeth estava sentada. Mas, na altura da Rua du Coq, apressaram os cavalos e ela então se levantou. Subitamente as carroças penetram na praça e os prisioneiros se viram diante do infame instrumento de morte, a guilhotina. A Princesa foi a primeira a descer. O carrasco ofereceu sua mão, mas ela olha para outro lado, não precisando de ajuda.
     Uma após a outra as vítimas sobem o cadafalso, e cada qual, antes de ir, faz um último ato de respeito à irmã de seu Rei morto. De acordo com as ordens, Madame Elisabeth deveria ser a última executada, numa cruel esperança de que o horrível ritual que acontecia diante de seus olhos quebrasse sua coragem. Mas, eles foram desapontados até o fim! Ela ficou de pé no meio dos guardas, enquanto seus companheiros eram supliciados.
     Madame Elisabeth recitou o De Profundis. Ela rezava, o rosto voltado para a guilhotina, mas nenhum barulho a fazia erguer os olhos. Quando chegou a vez de Madame Elisabeth, ela subiu os degraus com passos lentos; ela tremia ligeiramente, sua cabeça estava inclinada sobre o peito.
     No momento em que ela chegou diante do cadafalso, um dos ajudantes tirou o xale que cobria seus ombros, deixando à mostra uma medalha de prata da Imaculada Conceição. Ela fez um movimento e gritou pudicamente: "Senhor, em nome de vossa mãe, cobri meus ombros!" Tocado por seu apelo, o homem silenciosamente a atendeu. Quase em seguida ela foi fechada sobre a prancha, a lâmina caiu e sua cabeça tombou.




     Os tambores tocavam num ensurdecedor crescendo, saudando a morte de cada condenado e incitando o povo presente a gritar o costumeiro "longa vida à República". Mas, desta vez o silêncio era profundo. Nenhuma palavra foi ouvida em toda a praça quando a lâmina caiu.
     O capitão, que deveria dar o sinal, tombou desmaiado (ele vira e admirara Madame Elisabeth na Torre do Templo). Levaram-no paralisado, moribundo. Um silêncio impressionante pairou sobre a multidão estupefata. E todos os primeiros biógrafos da Princesa repetiam que um penetrante perfume de rosa se espalhou por toda praça.
     O corpo ensangüentado de Madame Elisabeth, confundido com os das outras vítimas, foi levado para um terreno reservado aos supliciados da Revolução, chamado "o recinto de Cristo", e espalharam cal viva sobre seu corpo, como haviam feito com o Rei e a Rainha. Apesar de todas as buscas, jamais se pode identificá-lo.
     O "anjo da corte" abandonou esta Terra para voar para a corte celeste. "Sua glória tão pura, disseram, está por toda parte e seu túmulo em nenhum lugar". Mas, seu nome certamente está gravado no livro eterno dos grandes vencedores.

Trad. e adap. de art. de Virginia Carmeli, publ. em CRUSADE de maio-junho 1996.

Nenhum comentário:

Postar um comentário