Páginas

sábado, 21 de março de 2015

SANTA ROSA VENERINI, Virgem e Fundadora (das Mestras Pias Venerini).



Santa Rosa Venerini
Nascida em Viterbo, Itália, no dia 09 de fevereiro de 1656. Dotada de inteligência e sensibilidade não comuns, Rosa tinha diante de si as escolhas possíveis à mulher do seu tempo: o matrimônio ou a clausura. Contudo, ela privilegiava as escolhas corajosas, para além dos modelos tradicionais, e na sua interioridade sentia a necessidade de uma alternativa que fosse vantajosa para a sociedade e para a Igreja, mas não conseguia identificá-la
Porém, Deus permitiu que Rosa Venerini vivesse um conflito, bem humano: um jovem apaixonado queria desposá-la, mas o seu desejo era consagrar-se a Deus. 
No Outono de 1676 entrou como externa no Mosteiro Dominicano de Santa Catarina, para conhecer a vida claustral. Em virtude de tristes acontecimentos na família (morte do rapaz pretendente a desposá-la e de seus pais) ocorridos entre 1677 e 1680, teve que regressar a casa.
Tendo ficado sozinha em casa com o irmão Horácio, começou a convidar as jovens e as senhoras da vizinhança para a recitação do Rosário; deu-se conta da pobreza espiritual e cultural difundida na população e compreendeu a necessidade de uma missão mais elevada, ou seja, a urgência de dedicar-se à instrução e à formação cristã das jovens, com uma verdadeira escola. 
Um padre jesuíta, Ventuar Bandinelli, percebendo a sua vocação natural para a religiosidade e para o ensino, abre-lhe as portas da vida religiosa. Rosa não perdeu a oportunidade e deu o primeiro passo, indo viver em comunidade. A 30 de Agosto de 1685, com a aprovação do Bispo de Viterbo, Card. Urbano Sacchetti, junto de mais duas amigas mestras (professoras), cria a primeira escola pública primária para crianças na Itália em 1685. Estava iniciada a sua grande obra.

Porém, as oposições não tardaram a aparecer. Alguns padre acharam que a obra de Rosa agredia a sua autoridade no ensino religioso. Os nobres se posicionavam contra o ensino gratuito dos pobres. Rosa enfrentava uma batalha em nome de Deus e de um ideal. Felizmente, o bispode Montefiascone intervém e a convida para fundar em sua diocese uma nova escola. Para lá Rosa Venerini se dirige, junto de uma colaboradora muito especial: a futura Santa Lúcia Filippini. 
As escolas, então, se expandem e chegam a muitas cidade, inclusive a Roma. Mas os problemas apareceriam novamente. Rosa tem de enfrentar discussões dolorosas, ambições e divisões dentro de sua própria instituição, problemas provocados pela inveja e ganância as pessoas. 
Em 1714 escreveu e publicou um livro intitulado Relazione degli Esercizi que si pratticano in Viterbo nelle Scuole destinate per istruire le Fanciulle nella Dottrina Cristiana, com a finalidade de obter das Autoridades Eclesiásticas a aprovação do seu método educativo.
Em 1716, uma visita do Papa Clemente XI foi o reconhecimento do valor de sua obra. O apoio do Papa foi um fator importante para o desenvolvimento de sua instituição, que na época não era uma congregação, e, agora, é chamada: "Mestras Pias Venerini". 
O fim de sua vida foi marcado por uma doença que a consumiu por quatro anos. Rosa veio a falecer no dia 07 de maio de 1728, com grande fama de santidade, depois de ter fundado cinquenta escolas.  Em 1909, é fundada a primeira Casa nos Estados Unidos. O reconhecimento canônico para essas professoras chegou apenas em 1941, quando, finalmente, se tornam uma Congregação. 
O Papa Pio XII, de venerável memória, bem-aventurada Rosa Venerini em 1952, quando a congregação já operava em muitos países do mundo todo. Suas relíquias estão guardadas na capela da Casa Mãe da Congregação em Roma. 
Em 15 de outubro de 2006, o Papa Bento XVI, na Praça de São Pedro, canoniza Rosa Venerini. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário