Páginas

domingo, 15 de fevereiro de 2015

São Lourenço Ruiz e Companheiros, Mártires nas Filipinas.



São Lourenço Ruiz, também conhecido como Lorenzo Ruiz de Manila, é o primeiro santo filipino venerado na Igreja Católica Romana; ele é, portanto, o protomártir das Filipinas. Ele tinha ido para o Japão com três missionários e foi morto por se recusar a renunciar a suas crenças católicas durante a perseguição a cristãos japoneses sob o xogunato Tokugawa, no século 17.


Vida pregressa
Lorenzo Ruiz nasceu em Binondo, Manila, filho de pai chinês e mãe filipina, ambos católicos. Seu pai lhe ensinou o mandarim, enquanto sua mãe lhe ensinou Tagalog.

Ruiz atuou como coroinha na igreja do convento de Binondo. Depois de ser educado pelos frades dominicanos por alguns anos, Ruiz ganhou o título de “escrivão” por causa de sua caligrafia hábil. Tornou-se um membro da Confraria do Santíssimo Rosário. Casou-se com Rosário, uma nativa das Filipinas, e juntos tiveram dois filhos e uma filha. A família Ruiz levar uma vida pacífica e religiosa, sendo para todos um exemplo de família cristã.

Em 1636, enquanto trabalhava como balconista para na igreja de Binondo, Ruiz foi falsamente acusado de matar um espanhol. Ruiz pediu asilo a bordo de um navio com três padres dominicanos: Antonio Gonzalez; Guilherme Courtet; Miguel de Aozaraza, sacerdote japonês; Vicente Shiwozuka da Cruz; e um leigo hanseniano, Lazaro de Kyoto (todos também serão canonizados como Lourenço Ruiz). Ruiz e seus companheiros partiram para Okinawa em 10 de junho 1636, com a ajuda dos padres dominicanos e dp Padre João Yago.

Martírio
O shogunato Tokugawa estava perseguindo os cristãos no tempo que Ruiz tinha chegado ao Japão. Os missionários, rapidamente identificados pelos inimigos da fé, foram presos e jogados na prisão, e, depois de dois anos, foram transferidos para Nagasaki, para enfrentar o julgamento e a tortura. Ele e seus companheiros enfrentaram diferentes tipos de tortura.



Em 27 de setembro 1637, Ruiz e seus companheiros foram levados para a colina de Nishizaka, onde foram torturados através do seguinte método: foram pendurados pelos pés, com o corpo todo atado a pesos e com a cabeça para baixo, num buraco. Esta forma de tortura era conhecida como “tsurushi” em japonês ou horca em espanhol. O método era suposto ser extremamente doloroso. Embora a vítima estivesse toda amarrada, por um lado deixavam uma maneira da mesma sinalizar o desejo de retratar-se, levando a sua libertação. Ruiz se recusou a renunciar ao cristianismo e morreu por perda de sangue e sufocação. Seu corpo foi cremado e suas cinzas jogadas no mar. Os demais mártires sofreram torturas semelhantes e ainda piores, como, por exemplo, São Miguel Aozaraza, que sofreu vários tipos de tortura antes de ser decapitado.

De acordo com relatos de missionários latinos enviados de volta para Manila, Ruiz, antes de morrer, pronunciou as seguintes palavras:

“Ego sum et Catholicus animo prompto paratoque pro Deo mortem obibo. Si mille vitas haberem, cunctas ei offerrem”, isto é, Sou católico e sinceramente aceito a morte em nome do Senhor; Se eu tivesse mil vidas, todas as ofereceria a Ele”.


Caminho para a santidade

Causa de beatificação e canonização

A Positio Super Introductione Causae ou da causa de beatificação de São Lorenzo Ruiz foi escrita pelo historiador respeitado, Frei Fidel Villarroel, OP. Ruiz foi beatificado durante a visita papal de São João Paulo II às Filipinas. Foi a primeira cerimônia de beatificação, a ser realizada fora do Vaticano na história da Igreja. São Lorenzo Ruiz e companheiros foram canonizados pelo mesmo Papa na Cidade do Vaticano, em 18 de Outubro de 1987, tornando-se, assim, o primeiro santo filipino.


Milagre


Sua canonização foi baseada em um milagre que aconteceu em 1983, quando Cecilia Alegria Policarpio, de dois anos de idade, menina sofrimento atrofia cerebral, foi curada por intercessão da família e apoiantes para Lorenzo Ruiz. Ela foi diagnosticada logo após seu nascimento e foi tratado no Magsaysay Medical Center.

Nenhum comentário:

Postar um comentário