Páginas

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Beata Cristina de Spoleto, Leiga e Penitente.

O início da vida desta figura singular de mulher pode muito bem se colocar quando, por volta de 1430, ela decide mudar de vida, abandonar a família e os locais nos quais havia vivido, e vestir o hábito secular das Agostinianas.
Daquele momento em diante sua existência foi uma permanente peregrinação em busca de um local para viver no esquecimento. Permaneceu próximo de alguns mosteiros agostinianos não ingressando jamais em nenhum deles. A vida de oração, de mortificação, mas sobretudo as obras de misericórdia junto aos necessitados, a obrigavam a se afastar todas as vezes que percebia ser objeto de atenção.
Em 1457, visitou os locais santos de Assis e de Roma, para depois se dirigir à Terra Santa em companhia de outra terciária. No retorno, chegou a Spoleto onde permaneceu por um breve período, dedicando-se ao cuidado dos doentes no hospital da cidade. Nesta cidade, embora ainda muito jovem, faleceu no dia 13 de fevereiro de 1458, com fama de santidade.
O seu corpo foi sepultado sob as expensas da comuna de Spoleto na igreja agostiniana de São Nicolau. Numerosas graças e milagres atribuídos à sua intercessão contribuíram para difundir e a aumentar o seu culto, iniciado imediatamente após sua morte, o que levou Gregório XVI a ratificá-lo proclamando-a Beata em 1834.
Os hagiógrafos são concordes quanto aos dados relativos à sua vida após a decisão de vestir o hábito de terceira agostiniana. Não, entretanto, quanto ao tempo anterior à sua heroica decisão de fugir do mundo permanecendo no mundo, motivo pelo qual é conhecida sob várias denominações.
Alguns consideram que ela pertencia à família dos Visconti de Milão, ou àquela dos Calvisanos, na Brescia. Sua fuga teria sido motivada pelo desejo de livrar-se de quantos desejavam casar-se com ela contra os seus próprios desejos e ideais.
Segundos outros, seu nome era Agostinha, nascida em Osteno, nas proximidades do lago de Lugano, por volta de 1432, filha do médico João Camozzi e casada bem jovem com um artesão do local. Tendo enviuvado muito jovem, num relacionamento com um cavalheiro milanês teve um filho que morreu pequenino. Casando-se de novo, perdeu o marido morto por um soldado.
A Beata Cristina é um exemplo de penitência e de humildade para o laicato católico.

Martirológio Romano: Em Spoleto na Úmbria, Beata Cristina (Agostinha) Camozzi, que, depois da morte do marido, tendo vivido durante algum tempo sob a concupiscência da carne, deixou-a para abraçar uma vida de penitência na Ordem Secular de Santo Agostinho, dedicando-se à oração e ao serviço dos doentes e dos pobres.

(Fontes: Heroínas da Cristandade e www.santiebeati.itFonte: www.santiebeati.it

Nenhum comentário:

Postar um comentário