Páginas

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

SANTA RAFAELA MARIA DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS, Virgem e Fundadora das Escravas do Coração de Jesus.



     Ildefonso Porras e Rafaela Ayllón, abastado casal, não suspeitaram quais eram os misteriosos desígnios de Deus quando lhes nasceu a décima de seus treze filhos, Rafaela, no dia 1º de março de 1850. Rafaela Maria Porras y Ayllón nasceu em Pedro Abad, província de Córdoba (Espanha). Dos seus pais recebeu uma educação cristã, especialmente eficaz porque baseada no exemplo.
     Santa Rafaela Maria tinha quatro anos quando seu pai, Presidente da Câmara de Pedro Abad, tombou vítima de sua religiosidade e de seu heroísmo: ao cuidar dos doentes de cólera, ele próprio contraiu a doença. Sua viúva, mulher forte, passou a dirigir a família. Dedicou especial atenção na educação das "duas perolazinhas", como eram chamadas as duas únicas meninas, Rafaela e Dolores, esta última quatro anos mais velha que a irmã.
     A educação recebida de sua mãe, uma mistura de solícita ternura e de suave exigência, fez amadurecer nela os melhores traços do seu temperamento. Ao chegar à adolescência, era uma criança precocemente reflexiva, doce e tenaz ao mesmo tempo, senhora de si, sempre disposta a ceder nos seus gostos perante os gostos dos outros.
     Rafaela e a irmã, jovens finas, cultas, bem dotadas, podiam frequentar a melhor sociedade de Córdoba e Madri. Mas Rafaela, de joelhos diante do altar de São João dos Cavaleiros, em Córdoba, consagrou-se a Nosso Senhor com um voto de castidade perpétua aos quinze anos de idade. Isto aconteceu no dia da Anunciação de Nossa Senhora, a Escrava do Senhor. Mais tarde ela diria: "É tão formosa a flor da pureza!" Por uma coincidência providencial, a propriedade daquela igreja seria mais tarde entregue às Escravas do Sagrado Coração de Jesus, obra que Rafaela fundaria.
     A morte da sua mãe, quando ela tinha dezenove anos, foi outro momento forte na reta trajetória da sua entrega a Deus. A partir de então se dedicou completamente aos mais carentes e não havia na povoação uma necessidade ou dor que ela não consolasse. Em tudo isto era acompanhada por sua irmã Dolores, que iria ser também sua companheira inseparável na fundação do Instituto das Escravas do Sagrado Coração de Jesus.
     Por caminhos inesperados, as duas irmãs viram-se convertidas em fundadoras. A 14 de abril de 1877 estabelecia-se em Madri a primeira comunidade das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, dedicadas a adorar o Santíssimo Sacramento e a educar crianças e jovens, principalmente as pobres. Aprovadas pelo Cardeal Moreno, das dezoito noviças que haviam começado aquela aventura "nenhuma se perdera".
     Testemunhas de Deus num mundo desgarrado pela dor de frequentes guerras, as primeiras Escravas trataram de dar a conhecer o amor de Cristo, amor até à morte, expressivamente simbolizado no seu Coração aberto. Rafaela Maria e a sua irmã Dolores fizeram disto a missão do Instituto, que impulsionaram com a sua atividade e deram vida com o seu espírito. Santa Rafaela Maria foi a encarnação do ideal de uma Escrava. O nome que adotou na vida religiosa – Maria do Sagrado Coração de Jesus – exprime a sua atitude constante de resposta ao Amor.
     Em 29 de janeiro de 1887, o papa Leão XIII aprovava definitivamente o Instituto e, temporariamente, as Constituições pelas quais elas tinham lutado com denodo.
     As Escravas espalharam-se rapidamente, e Rafaela dirigiu-as, com Maria del Pilar, nome que sua irmã adotara, como ecônoma geral, até 1893.
     Neste ano, Irmã Maria del Pilar convenceu-se que a irmã errava muito na administração econômica, fez campanha e as Religiosas Conselheiras declararam a Madre Rafaela incapaz de governar a Congregação. Irmã Maria del Pilar substituiu-a no cargo; teve, deste modo, o gosto de ser Superiora geral durante dez anos (1893-1903).

     Estes dez anos e os 22 seguintes passou-os Rafaela a um canto, esquecida e desprezada, mas feliz por não ter senão que dar bom exemplo e entregar-se continuamente à oração e à humildade. Sem amargura de coração, sem críticas, sem o menor ressentimento, vendo a mão invisível de Deus que com infinito amor modelava o seu barro, aceitou para o resto da sua vida – tinha quarenta e três anos – o martírio do “não fazer”.
     Entregue à oração e às simples tarefas domésticas, nas quais soube traduzir o seu imenso desejo de ajudar o Instituto e a Igreja, Santa Rafaela Maria pode ver o crescimento daquela obra nascida do seu amor e fecundada pela sua dor. Sempre serena, acreditou contra toda a esperança no Deus fiel que levaria a feliz término a empresa que por meio dela e de sua irmã tinha começado.

     Naqueles anos de isolamento, só teve o consolo de uma viagem a Loreto e Assis, e outra a Espanha. Por todas as casas que visitou deixou uma esteira de edificação. As religiosas mais jovens podiam comprovar o que tinham ouvido as mais velhas comentarem sobre a fundadora. Ela nunca mais exerceu a autoridade no Instituto, mas edificava a todas o verem-na, já idosa, ajudando a uma postulante recém-chegada a pôr as mesas.
     O prolongado e doloroso holocausto estava para se consumar. Devido às longas horas que passava ajoelhada diante do Santíssimo Sacramento, centro de sua vida, contraiu uma doença no joelho direito que pouco a pouco a foi consumindo em meio a dores intensas. Os últimos oito meses que passou retida em seu leito foram de acerbo sofrimento. "Aceitai todas as coisas como se viessem das mãos de Deus", repetia ela.
     No dia 06 de janeiro de 1925, Santa Rafaela morre santamente na casa de Roma, onde permanecera os últimos anos de sua vida. Depois de seu falecimento as autoridades eclesiásticas compreenderam o que se tinha passado; foi aberto o processo de sua beatificação.


O corpo milagrosamente incorrupto de Santa Rafaela, com foi encontrado, na exumação feita
vinte anos após sua morte. Estava ainda flexível, como se apenas dormisse... 



     Quase ao final da II Guerra Mundial, um bombardeio americano atingiu o cemitério onde Madre Rafaela estava sepultada. Seu túmulo milagrosamente foi preservado e, ao fazerem a exumação de seus despojos, encontraram seu corpo incorrupto e flexível como se ela dormisse.
     Pio XII beatificou-a em 1952 e Paulo VI canonizou-a no dia 23 de janeiro de 1977.

Reflexão:

Uma religiosa santa é, basicamente, uma mulher realizada em Cristo. Isto é, uma mulher na qual os melhores valores do ser feminino, na sua forma específica de ser pessoa humana, à imitação de Cristo e sob o impulso do Espírito Santo, alcançaram plena maturidade.

Partindo desta base, podemos passar a descrever alguns aspetos distintivos desta mulher santa que alcançou a plenitude cristã enquanto consagrada e fundadora de um novo Instituto na Igreja.

Um santo é uma testemunha excecional da transcendência de Deus. A vida duma religiosa, como diz Paulo VI, deve ser para o homem “testemunho privilegiado duma procura constante de Deus, de um amor único e indiviso a Cristo, duma dedicação absoluta ao crescimento do Seu Reino”. (ET,3). Enquanto religiosa e santa, Rafaela Maria Porras y Ayllón deu esse testemunho. Enquanto fundadora, recebeu ainda a graça de transmitir o modo especial de viver o cristianismo que Deus lhe inspirou. Não recebeu o carisma da vocação só para ela. Recebeu-o também para nós. Para as Escravas, em primeiro lugar, mas também para todos os que de alguma forma se sintam vinculados a elas. Todos formamos uma grande família à volta deste carisma e espiritualidade que Santa Rafaela Maria recebeu para entregar ao Mundo.

A sua vocação à vida religiosa e a fundação do Instituto são uma longa procura na fé. O plano de Deus vai sendo revelado a ela por etapas; que é como quem diz, em doses humanas. Ela e a sua irmã, que em Pedro Abad (aldeia perto de Córdova onde nasceram) tiveram uma vida de oração e de caridade que qualificaríamos de heroica, começam a caminhar por caminhos desconhecidos. Deus apresentasse-lhes como o Senhor, o Dono dos nossos destinos, com direito a alterar os planos que fazemos para nós próprios. Nesse caminho que terminará por convertê-la em fundadora dum Instituto, não há outra luz senão a vontade de Deus, a Sua Palavra.

A propósito disto, é bom dizer que, para Rafaela Maria, o chamamento de Deus não tem nunca o eco duma voz misteriosa, espetacular. É como se, desde o princípio da sua vida, por uma compreensão profunda da Encarnação do Verbo, tivesse entendido que a voz de Deus adquire o timbre das vozes humanas; que Deus fala através dos acontecimentos. Mas esse coro de vozes da terra precisa duma espécie de intérprete, e Rafaela Maria, sempre humilde, escutará o “intérprete oficial”, o único intérprete autorizado: a Igreja.

Por caminhos inesperados, encontrar-se-á convertida em fundadora. Ela procurou puramente a Deus, com esse estilo especial, tão feminino, que é o deixar-se procurar e o deixar-se encontrar por Ele. Toda a sua vida é uma escuta, um acolhimento da Palavra de Deus, uma atitude de resposta incondicional. E Deus procurou-a a ela. Encontraram-se nesse ponto: ela, a pedra fundamental do Instituto e Ele, o sábio construtor. É um posto – o de fundadora – que, naturalmente, a ela não lhe agrada. O aceita com simplicidade, como aceita tudo na sua vida. Vive-o em plenitude e, quando chega a hora, abandona-o em completa paz. É a personificação da escrava, que, como diz um salmo, “tem os olhos postos nas mãos dos seus senhores”. É, sem comparações nem metáforas, a escrava. É modelo de Escrava do Sagrado Coração.

“Testemunha dum amor único e indiviso a Cristo”. Todos os santos procuraram Cristo com todo o seu ser, mas não há santo algum capaz de abarcar na sua procura, e muito menos no seu encontro, toda a riqueza de Cristo. Deus desborda-nos.

Rafaela Maria, desbordada por Deus, transmite-nos a todos nós a sua experiência pessoal de Cristo. Cristo é para ela o Deus que quis encarnar-se por amor, o Deus que ama com um amor pessoal, tão imediato e tão humano, que teve de concretizar-Se no Coração de um Homem, Cristo, para que pudéssemos palpar, duma maneira tangível, algo da Sua riqueza. Nos escritos de Santa Rafaela Maria é constante a memória de Jesus Cristo, do Seu Coração, do Seu amor, da Sua entrega. Às vezes fala num tom, diríamos, oficial ou litúrgico, como quando nos diz que “todos os bens nos vêm pelo Unigénito de Deus, nosso Senhor Jesus Cristo; que por Seus méritos devem pedir-se todas as coisas, e que na Sua imitação está a nossa saúde e vida.”; “devo trabalhar em Cristo, por Cristo, para Cristo…”. Outras vezes em tom mais familiar, como quando diz que os homens do mundo inteiro são “filhos do Coração do nosso bom Jesus, e custaram-lhe todo o Seu sangue…”. Outras vezes com entusiasmo, como quando, nuns apontamentos de Exercícios Espirituais, diz que sai disposta, “animosa e alegre” por poder fazer algo pelo Seu Capitão Jesus. Quem nos dera a nós falar de Jesus Cristo com tanta espontaneidade e com tal riqueza de matizes.

Todas estas expressões poderiam ser simplesmente palavras sonoras, se não estivessem validadas por toda a sua vida de entrega a Cristo. Nuns Exercícios oferecia-se para dar “quanta maior glória pudesse ao Coração de Jesus, ainda que lhe custasse a honra e vida”. Quando chegou o momento de dar a honra, manteve-se firme nesse propósito. Firme, serena, constante. E é nessa época, no meio da escuridão da sua vida, que escreve o que na realidade vivia: “que Ele me ame ainda que seja perdendo a pele, que esta a perderam por desfrutá-lo os inumeráveis santos que encerra esta bendita e santa cidade”.

Rafaela Maria fez da sua vida inteira um ato continuado de confiança e fidelidade. E essa sua vida ensina-nos que a primeira resposta que o homem pode dar ao amor é, precisamente, crer n’Ele. Como escreveu S. João: “Nós conhecemos o amor que Deus nos tem e acreditámos n’Ele” (1Jo.4,16). Ela teve uma experiência muito profunda do Coração de Cristo e está convencida de que dar-Lhe glória é sobretudo entregar-se pela salvação do mundo. Daí, o seu extraordinário interesse, a sua paixão pelos homens, pela humanidade. “Que se nos infunda bem o espírito do Instituto, que é o amor verdadeiro a Jesus na Eucaristia, e o interesse que devorava o Seu Coração pela salvação dos homens”. A sua vivência íntima, entranhável, do Coração de Cristo, leva-a à Eucaristia e, ao mesmo tempo, na Eucaristia encontra a fonte dum conhecimento cada vez maior, duma experiência mais íntima do Coração. Quer moldar a sua vida à vida mortal de Cristo, diz ela, e acrescenta de seguida: “ou à que tem no Santíssimo Sacramento”. Cristo está na Eucaristia renovando continuamente a Sua entrega pela salvação dos homens. Modelar a própria vida à de Cristo na Eucaristia é pôr-se em atitude de entrega contínua e “não por um número determinado de pessoas, mas pelo mundo inteiro”. São palavras suas: “fomentar muito o zelo pelas almas, arder e abrasar-me em rogar para que nenhuma se perca”.

“Testemunho duma dedicação absoluta ao crescimento do Reino”, disse o Papa Paulo VI sobre a vida religiosa. Rafaela Maria, tanto na primeira fase da sua vida, em plena atividade, como nos anos do seu grande silêncio, ensina-nos como devemos viver unicamente para o Reino. Nuns apontamentos dos Exercícios Espirituais de 1890, expressava os seus enormes desejos de “como pudesse, ou senão com orações, fazer tudo para que Cristo seja conhecido e seja amado”. “Quando me veja sem ação física para estender o meu zelo, como são os meus desejos, contentar-me-ei em rogar e fazer suavemente o que possa da minha parte, como me ensina o meu Senhor”. Referia-se, aqui, a uma situação que entrevia como possível. Esta situação tornou-se realidade. Quando, em 1892; entrou no seu estado de ocultação, de vida oculta, Rafaela Maria compreendeu que tinha chegado a hora de “rogar e fazer suavemente o que podia da sua parte”. E com que plenitude o fez! Sem amargura, sem críticas. Ajudar todos e em tudo foi a sua forma de colaborar na extensão do Reino, na atividade apostólica do Instituto. Com a enorme generosidade do seu coração, soube alegrar-se com a vida, que continuava, enquanto ela avançava num caminho de esquecimento, de obscuridade. Nunca teve reticências para as pessoas nem para as novas situações. Em certa ocasião disse: “A mim não se me apaga o entusiasmo pelas coisas e gosto de ver que se o tenha”. E noutra ocasião comentava que o próprio da juventude é o desejo de trabalhar muitíssimo para dar glória a Deus; pelo que ver uma jovem religiosa, apática ou menos entusiasmada lhe produzia verdadeiro assombro e tristeza. Até poucos dias antes da sua morte, falou com carinho das novas gerações, daquelas jovens que vinham continuar a ação apostólica que ela se tinha visto obrigada a deixar, tão contrariamente à sua inclinação e desejo.





Rafaela Maria foi canonizada no dia 23 de janeiro de 1977. Quando a Santa Sede aprovou o nosso Instituto, foi como se nos dissesse, às Escravas, que este era um caminho de vida capaz de levar-nos à santidade. A canonização da nossa Fundadora é a afirmação rotunda, existencial, de que por este caminho, efetivamente, já chegou à santidade uma pessoa. Uma pessoa com as nossas dificuldades, com a nossa debilidade, feita da mesma carne e do mesmo sangue que todos nós.

A canonização de Rafaela Maria é para nós um chamamento a vivermos mais profundamente a nossa vocação e a transmitirmos a todos o que por graça recebemos. Ensina-nos a procurar a Deus, a deixar-nos levar por Ele, sabendo que Ele é fiel. Convida-nos a uma maior experiência do Coração de Cristo, a uma revisão da nossa fé no amor, desse amor de Deus intensamente humano, que O faz entregar-Se até à morte e permanecer constantemente entre nós.
Como Rafaela Maria, nós, Escravas, somos chamadas a procurar essa presença na Eucaristia, nos homens e mulheres e nos acontecimentos dos nossos dias.  A receber no mistério de Cristo que atualiza a Sua morte e ressurreição, e na Sua glória invisível entre nós, o amor que nos une aos nossos irmãos e nos leva a procurar com eles a vinda do Reino.


Imaculada Yáñez, aci

Nenhum comentário:

Postar um comentário