Páginas

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

SANTA DAFROSA DE ROMA, Esposa e Mártir - 04 de janeiro.

       
       Mulher forte, esposa e mãe de família que tem bem gravado em sua alma o princípio e o fim de seu estado e de sua função: ganhar o céu para ela e para os seus. Primeiro seu marido e seus filhos, depois o próximo.

     Como buscava o bem daqueles que amava, a vemos deixando sua casa em Sevilha e emigrando para o centro do Império com toda sua família em busca de um maior bem-estar.
     Seu marido, Flaviano, morre mártir em Roma. Por estar casada com um cristão irredutível ela é condenada ao desterro. Ao voltar, o prefeito Aproniano a manda aprisionar, porque continua aferrada ao seu princípio de não sacrificar aos falsos deuses; ela quase adoece de fome. O prefeito prepara as coisas para recasá-la com um tal Fausto com a esperança de obrigá-la a mudar de opinião, mas o resultado é que o caçador é caçado, porque Dafrosa o instruiu na fé cristã, ele foi batizado pelo presbítero João e acabou morrendo mártir. Como seu corpo foi exposto aos cães, Dafrosa o recolheu à noite e lhe deu sepultura cristã. Isto a levou definitivamente ao martírio, em 4 de janeiro de 362, quando era único imperador Juliano, o apóstata.
     Os feitos de Dafrosa foram dados a conhecer, possivelmente acrescidos pelos séculos e a distância, pelo historiador hagiógrafo Antônio Quintana, que por sua vez os retomou de Pedro Julião. Quando se narra a vida e morte de Dafrosa se fala de toda uma família mártir, pois também se afirma que suas filhas Demétria e Bibiana morreram mártires em Roma, em 362, mas a fonte propulsora era a mãe firme, forte e muito capaz.

     A tradição a menciona como esposa de São Flaviano (22 dezembro) e mãe das santas Bibiana (2 dezembro) e Demétria (21 junho). Atualmente de toda família somente a filha Bibiana ainda aparece no martirológio da Igreja Católica e Dafrosa continua a aparecer no novo Martirológio Romano, onde é comemorada no dia 4 de janeiro.
     O sepultamento de Santa Dafrosa e de toda a família ocorreu perto de sua residência no Esquilino, onde, por desejo do Papa Simplício, foi construída uma capela e mais tarde a atual basílica. As relíquias de Dafrosa e de suas filhas ainda hoje são conservadas no sarcófago constantiniano, em alabastro oriental, sob o altar mor da igreja de Santa Bibiana.
     Os Santos Flaviano e Dafrosa, um dos numerosos casais que viveram no passar dos séculos e que a Igreja considerou dignos da honra dos altares, são modelos mais próximos das famílias, cônjuges que fizeram de seu matrimônio o caminho para alcançar a santidade.
     Curioso o papel de Juliano, o apóstata: o tempo de seu reinado não se caracterizou pela perseguição violenta, ele estava preocupado com a restauração do paganismo no Império como religião oficial, enquanto melhorava a administração e impulsionava a economia. Ele não quis mártires, ‘somente’ pagãos…



Fontes: www.santiebeati/it; http://es.catholic.net/op/articulos/31764/cat/214/dafrosa-de-roma-santa.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário