Páginas

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Beato Afonso Maria do Espírito Santo (Afonso Mazurek), Carmelita Descalço e Mártir.


No dia 13 de junho de 1999, o Papa São João Paulo II, quando de sua viagem apostólica à Polônia, beatificou 108 mártires poloneses da Segunda Guerra Mundial, vítimas da perseguição nazista. No grupo, no qual se encontram três bispos, 52 sacerdotes diocesanos, 26 religiosos sacerdotes, oito irmãos religiosos, oito religiosas, nove leigos e dois seminaristas, encontrava-se um Carmelita Descalço, frei Afonso Maria do Espírito Santo (Mazurek).
 Nascido no dia 1º de março de 1891, em Baranówka, na Polônia, ingressou no Carmelo Descalço em Wadowice, no ano de 1908. Fez sua profissão solene em 1912. A partir de 1914, prosseguiu seus estudos na Áustria, por causa da guerra. Ordenou-se sacerdote em Viena, no dia 16 de julho de 1916. Até 1930 dedicou-se à formação inicial dos futuros religiosos carmelitas no Seminário Menor de Wadowice. Eleito Prior do convento de Czerna, cumpriu esta missão até ser executado pelos nazistas.



O Martírio

 Quase ao final da segunda guerra mundial, em agosto de 1944, aumentaram a hostilidade dos nazistas e suas perseguições na Polônia. Os Carmelitas do convento de Czerna sofreram na pele a violência daqueles que ocupavam o território polonês desde 1939.
Em 24 de agosto de 1944, o noviço Frei Francisco Powiertowski foi fuzilado. Quatro dias depois, o comando militar nazista invade o convento, obrigando os religiosos a dirigir-se à aldeia de Rudawa, a cerca de dez quilômetros, para escavar trincheiras. O prior, Frei Afonso Maria, foi separado dos confrades e obrigado a subir em um carro dos militares, sendo logo brutalmente torturado e maltratado por eles. Três quilômetros antes de chegar a Krzeszowice, o carro onde se encontrava  Frei Afonso desviou-se para uma estrada secundária, nas imediações do povoado de Nawojowa Góra. O automóvel parou em um prado e o Padre foi obrigado a descer e a caminhar. Em seguida dois soldados chamaram-no aos gritos. Quando ele voltou-se para atendê-los dispararam sobre ele. Frei Afonso caiu ao chão. Os assassinos aproximaram-se dele e ao constatarem que ainda vivia encheram sua boca de terra. Ferido e desfalecido foi conduzido numa carroça ao cemitério de Rudawa, distante a três quilômetros. Os Carmelitas, que se dirigiam para as escavações em Czerna, encontraram a carroça no caminho e descobriram Frei Afonso moribundo. Um dos sacerdotes ainda pôde-se ministrar-lhe a absolvição. Era o dia 28 de agosto, vigília da memória litúrgica do martírio de São João Batista, de quem o Carmelita era grande devoto.
 No dia 2 de setembro de 1945, a comunidade de Czerna ergueu um monumento do local da execução. Na epígrafe expressou a certeza de seu martírio, apresentando-o como um dom de amor: "Venceste com a vitória de Deus...".


Reconhecimento canônico dos restos mortais do então
Servo de Deus Frei Afonso Mazurek







Em 1976, durante o regime comunista na Polônia, foi celebrada uma missa junto ao monumento, com a participação de grande número de fiéis, que pediam ao governo permissão para ali construir uma igreja. A permissão foi concedida.  Um carmelita, que testemunhou o martírio de Frei Afonso, assim declarou: "Para mim, o Servo de Deus é um mártir. Não havia nenhum motivo para ser fuzilado. Meus conhecidos de Czerna e arredores são da mesma opinião... Foi um religioso exemplar, um homem de fé profunda. O martírio foi o coroamento de sua vida".


Bem-aventurado Afonso Mazurek,  rogai por nós!


Nenhum comentário:

Postar um comentário