Páginas

domingo, 18 de janeiro de 2015

Beata Verônica de Binasco, Virgem e Mística Agostiniana.


A Bem-Aventurada foi contemplada por
muitas visões místicas do Senhor
e de Nossa Senhora
A vida da Beata Verônica de Binasco pode ser lida num dos numerosos volumes conservados na preciosa biblioteca do mosteiro de Santa Rita de Cássia. A biografia publicada em Foligno, no longínquo 1709, recorda a figura de uma esposa de Cristo perfeita, um modelo de verdade evangélica.
     Verônica nasceu em Binasco, cidade entre Pavia e Milão, em 1445. Foi batizada com o nome de Joana. Pertencia a uma família de lavradores pobres, mais rica de virtudes do que de bens tirados da terra. Devido à pobreza, seus pais precisaram colocá-la muito cedo para trabalhar no campo. Em vez de dar ouvidos às conversas mundanas e às canções populares, ela se entregava às orações e parecia alheia a tudo o que se passava ao seu redor. Esta flor de virtude iria desabrochar na vida religiosa.
     Movida pelo ardente desejo de entrar para a família das Irmãs Agostinianas de Santa Marta, em Milão, Verônica dedicou uma parte de suas noites a aprender a ler e a escrever, condição necessária para ser admitida no convento.
     Seus esforços foram em vão e, desencorajada, ela se queixou à Virgem Santíssima, que lhe apareceu, dizendo: “Minha filha, não se inquiete; você precisará aprender apenas as três lições que eu trago do Céu. A primeira é a pureza do coração, que nos leva a amar Deus acima de todas as coisas; você deve ter apenas um amor, o de meu Filho. A segunda é a de não murmurar contra os defeitos do próximo, mas suportá-los com paciência, orando por ele. A terceira é meditar todos os dias a Paixão de Jesus Cristo, que a aceita por Sua esposa”.
     A partir desse momento, Verônica não se preocupou mais com o alfabeto e os livros, mas encontrou o caminho da “ciência dos santos”. Finalmente foi recebida entre as irmãs convertidas de Santa Marta em 1466.
     O seu leito consistia em um saco de palha; usava o cilício e seus hábitos não eram adaptados ao frio. O alimento era insípido e renunciou ao vinho. Mas Verônica distinguiu-se não apenas pelas virtudes mais brilhantes, mas pelos dons os mais extraordinários. Seus olhos eram infinitas fontes de lágrimas. Frequentemente, nosso Senhor lhe aparecia. Certa feita, Ele recitou o Ofício Divino com ela; outra vez, Ele Se mostrou a ela pregado na Cruz, a cabeça coroada de espinhos, o rosto pálido e desfigurado, o corpo coberto de chagas. Esta visão fez Verônica desmaiar. Os demônios a atormentavam de mil maneiras, procurando aniquilar uma virtude tão heroica, mas seus ataques serviram apenas para aumentar os méritos da religiosa.
     Sofreu intensas dores em êxtases durante anos. Ela teve um visão de Cristo em 1494 quando recebeu uma mensagem para o Papa Alexandre VI. Fez a viagem para Roma para entregar a mensagem que o papa recebeu com admiração pela sua notável exatidão e coerência vindo de uma irmã sem profundos conhecimentos dos Evangelhos.
     Todos os dias, durante um ano, um santo venerado pela Igreja a cada dia lhe aparecia e instruía. Os Anjos a serviam e, durante os três anos que precederam sua morte, um destes espíritos celestes lhe trazia, às segundas, terças e quartas-feiras de cada semana, um pão que a saciava, tirando-lhe o gosto por qualquer outra comida. Sua vida, envolta em maravilhas, foi coroada por uma santa morte, cujo dia e hora Verônica havia predito.
     Depois de um doença de seis meses, faleceu em 13 de janeiro de 1497 em Milão. Beatificada pelo Papa Leão X em 1517, em 1672 o Papa Clemente X estendeu sua devoção a toda a Ordem Agostiniana.



Fontes: www.santiebeati.it; Abade L. Jaud, Vida dos Santos para todos os dias do ano (Vie des Saints pour tous les jours de l'année), Tours, Mame, 1950.

http://hagiosdatrindade.blogspot.com.br/2010/01/santa-veronica-de-binasco-ou-de-milao.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário