Páginas

Encontre o (a) Santo (a), Beato (a), Venerável ou Servo (a) de Deus

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Beato Gonçalo do Amarante, Presbítero Dominicano e grande taumaturgo (é chamado de "São Gonçalo do Amarante" em muitos lugares, devido à devoção popular).



O Beato Gonçalo do Amarante (Portugal) ou Gonzalo do Amarante (Espanha) ou, em Latim, Gundisalvus do Amarante, nasceu em Vuzella (perto de Braga ), Portugal, em 1187. Morreu em 1259.

Teve o seu culto aprovado em 1560. Em muitos lugares é chamado de “São Gonçalo do Amarante”, porém, ainda não foi canonizado, apenas beatificado. No entanto, isso em nada afeta a riqueza e a beleza extraordinárias de sua vida. Também não estranhem os leitores que ele seja frequentemente chamado de “São Gonçalo”, pois, em muitos lugares, inclusive em municípios e paróquias no Brasil, ele assim é chamado...


Gonçalo do Amarante foi um verdadeiro filho da Idade Média, um dos homens saído das páginas da "Lenda Dourada". Toda a sua vida se lê como um mural de uma parede de uma igreja cheia de coisas maravilhosas e cores brilhantes.
Ainda jovem, Gonçalo deu indicações de que seria um santo. Concentrou-se nos estudos da Igreja e recebeu treinamento na casa do arcebispo de Braga. Após a sua ordenação, foi dado a ele cuidar de uma paróquia rica e seria um posto que deveria deixá-lo muito feliz, mas ele não estava interessado em paroquianos ricos e assim foi ajoelhar-se aos pés da Virgem Maria, no seu templo favorito, e pedir a ajuda para administrar o seu ofício.
Não houve nenhuma queixa da competência de Gonçalo na paróquia de São Pelágio. Ele se penitenciava, mas era indulgente com aqueles que davam dinheiro para os pobres. As contribuições que recebia para si, ele dava aos pobres e aos doentes.
A paróquia, de fato, estava indo muito bem quando ele a passou para o seu sobrinho. Logo depois ele fez uma peregrinação à Terra Santa e lá queria ficar, mas o arcebispo ordenou que voltasse para Portugal.
Ao chegar, ele ficou horrorizado em ver que seu sobrinho não tinha sido um bom pastor para o seu rebanho. O dinheiro arrecadado para os pobres tinha sido usado para comprar bons estábulos, bons cavalos e cães. O sobrinho disse a todos que seu tio estava morto e que ele tinha sido indicado pastor em seu lugar.
Quando o tio apareceu em cena, furioso e velho, mas muito vivo, o sobrinho não ficou nada feliz. São Gonçalo ficou surpreso e muito triste. O sobrinho ingrato soltou os cães no tio e eles o teriam estraçalhado se os criados não tivessem afastados os cães a tempo de permitir que ele fugisse. Gonçalo decidiu então que ele já tinha tido muito da vida paroquial e foi para as colinas e, em um lugar chamado Amarante, se deparou com uma caverna onde encontrou o que precisava para viver como um eremita e assim viveu em paz por vários anos.
Construiu uma capela para a Santa Virgem e pregava para aqueles que vinham a ele e, em breve, um fluxo de peregrinos ia ao encontro a sua ermida. Mesmo feliz, Gonçalo sentiu que esta não era sua missão na vida e de novo orou para a Santa Virgem que o guiasse. Ela apareceu a ele em uma noite e disse-lhe que entrasse para a Ordem que tinha o costume de começar o Ofício com a "Ave Maria Gratia Plena". E disse-lhe também que esta Ordem lhe era muito querida e que Ela lhe dedicava uma especial proteção.
Gonçalo então saiu à procura da Ordem e, eventualmente, encontrou o convento dos Dominicanos. Ali ele terminou a sua procura e pediu o hábito. O Beato Pedro Gonzales era o superior e logo reconheceu nele um santo e lhe deu o hábito de aspirante.
Gonçalo passou pelo noviciado e foi enviado de volta a Amarante com um companheiro para fundar uma casa da Ordem dos Dominicanos por lá. O povo da vizinhança logo espalhou a noticia que o santo eremita estava de volta. Eles vinham em grupos e pediam-lhe a cura de suas doenças. E ele, milagrosamente, os curava. Um dos vários milagres de Gonçalves foi durante a construção de uma ponte sobre o rio que era muito “bravo” e não permitia que as pessoas do outro lado viessem visitar a ermida no tempo das águas. Não era um bom local para se fazer uma ponte, mas Gonçalo seguiu, segundo ele, diretrizes vindas do céu.
Certa vez, durante a construção, ele estava coletando doações e, quando bateu à porta da casa de um homem rico, este disse a ele para procurar na loja a sua esposa com um bilhete que ela daria a ele as moedas de ouro estipuladas no bilhete. São Gonçalo levou o bilhete para a esposa e quando esta o leu passou a rir. O bilhete dizia: "Coloque este bilhete no prato da balança e dê a ele tantas moedas de ouro quanto for necessário para equilibrar a balança". A loja estava cheia de fregueses. Inalterado, Gonçalves disse: "Mulher, obedeça ao seu marido" e colocou o bilhete no prato da balança e disse: "Agora coloque no outro as moedas". A mulher colocou uma, duas e várias moedas até encher o prato e o bilhete ainda pesava mais que as moedas. Quando o prato estava derramando, São Gonçalves disse: "Já chega" e colocando as moedas em um saco, saiu deixando a todos pasmos e estupefatos.

O milagre do tronco e da ponte
Gonçalo morreu em 1259, após profetizar o dia de sua morte e prometendo aos seus amigos que os ajudaria após deixar esta terra.
Peregrinações logo começaram e uma série de milagres indicaram que alguma coisa deveria ser feita para a sua beatificação. Quarenta anos após a sua morte ele apareceu para várias pessoas que estavam no rio observando o nível das águas subir. A água começou a subir de forma perigosa, quase alcançando a ponte, então todos viram uma grande árvore vindo ao encontro a ponte, e viram também o bem-aventurado Gonçalo aparecer montado no tronco e guiar a grande árvore para junto da margem do lado direito onde passou por debaixo da ponte, sem nenhum dano à mesma. Em seguida o nível da água começou, inexplicavelmente, a abaixar.


O Beato Gonçalo é mostrado na Arte Litúrgica da Igreja como um dominicano entre dois franciscanos. Ele ainda é mostrado segurando um chuveiro de luz e um monastério em suas mãos. Às vezes ele é mostrado dando comida aos mendigos.
Este é um “santo” muito venerado em Braga, Portugal e em Amarante, onde ainda estão lá a sua Ermida, a capela e a ponte. No Brasil é padroeiro de várias cidades.
O Mosteiro de São Gonçalo foi edificado no local onde, primitivamente, existiu a capela deste Santo. Durante o período medieval e, sobretudo, após sua morte, seu culto difundiu-se, tendo o seu expoente no século XVI. 
Em 1343, já a igreja dita de São Gonçalo, era um pequeno santuário medieval e local de  juramento. A doação da Igreja de São Gonçalo para Convento de São Domingos, foi feita pelo Cardeal D. Henrique. A construção do atual Convento, deliberada por D. João III e Dona Catarina, foi iniciada em 1543 e decorreu ao longo de aproximadamente oitenta anos (1543-1620), sendo, por isso, notória a diversidade de estilos.

Sua festa era celebrada no dia 16 de janeiro. Os Dominicanos a celebravam no dia de sua morte, em 10 de janeiro. Com a unificação das festas dos santos em 1969/70, todos os santos tiveram suas festas celebradas no dia de sua morte, assim a festa de São Gonçalo é celebrada no dia 10 de janeiro.
São Gonçalo no Brasil também é chamado padroeiro dos violeiros.

Algumas “curiosidades” sobre o Beato Gonçalo do Amarante:

1.  O rio Tamega era muito perigoso, principalmente durante as cheias do inverno, o que dificultava a vida dos moradores e paroquianos de Amarante. Frei Gonçalo resolveu edificar uma ponte, conforme local indicado por um anjo, sempre contando com a graça de Deus e com o trabalho dos moradores da região. Esta obra foi considerada, em sua época, algo impossível. Frei Gonçalo foi o arquiteto desta obra, na qual empregou o melhor de seus esforços. Por este feito, foi eleito o padroeiro dos engenheiros.
2.  Num determinado momento de penúria da região, elevou seus olhos a Deus e traçando o sinal da cruz sobre as águas do rio o milagre aconteceu, e uma enorme quantidade de peixes apareceu para saciar a fome de todos por muitos dias.
3.  Segundo a tradição, Frei Gonçalo era muito alegre, tocava viola e sua alegria era contagiante. Promovia festas familiares com danças e modas de viola. Vestia-se com roupas dos camponeses e operários da época: calção preso pouco baixo do joelho, meia preta, bota braguesa, chapéu na cabeça e capa nas costas; era essa a roupa de trabalho na construção da ponte.
4.  Através de seus bailes familiares, impediu que as jovens fossem trabalhar nos prostíbulos da região para sobreviver, e assim todas conseguiam bons casamentos.
5.  Frei Gonçalo tocava e dançava, porém, em seus sapatos colocou pregos como penitência, daí o surgimento da “dança de São Gonçalo”. Ninguém sabia o porquê dele dançar todo torto...
6.  Frei Gonçalo sempre promoveu o encontro de jovens, preparando-os para o matrimonio e mostrando a riqueza da santificação na vida conjugal.

É invocado em Portugal e também aqui no Brasil, como padroeiro das mulheres, de todas as idades, que desejam um bom casamento (à semelhança de Santo Antônio de Pádua). Diz uma lenda, que a mulher que tocar o túmulo de São Gonçalo do Amarante, em Portugal, terá casamento garantido, dentro de no máximo, um ano.

terça-feira, 9 de setembro de 2014

SÃO FRANCISCO DE SALES, BISPO E DOUTOR DA IGREJA



São Francisco de Sales
"A medida de amar a Deus consiste em amá-Lo sem medida." Este ensinamento de São Francisco de Sales talvez possa resumir toda a sua existência, pois ele não foi senão um exemplo vivo de tudo o que ensinava.

Stress”... Palavra talismânica criada aparentemente para justificar todos os males que acometem os homens de nosso tempo. Quem não dorme bem é porque está com stress; quem fica nervoso no trabalho, está estressado. Problemas familiares? Ora, a culpa também é do stress. Até mesmo o mau gênio, como é popularmente conhecido o temperamento colérico, encontra justificativa no stress. Embora a vida agitada e insegura de hoje realmente provoque stress, este não pode ser o escudo atrás do qual se esconde quem não quer combater seus defeitos temperamentais.

Vejamos o exemplo de um homem de temperamento, o qual, com o auxílio da graça, soube dominar-se a ponto de ficar conhecido e venerado por todos como o santo da doçura e da amabilidade: São Francisco de Sales.


A infância de um menino inocente

Primogênito do Barão de Boisy, nasceu Francisco em 1567 no castelo de Sales, na Sabóia, naquele tempo um país independente que abarcava territórios hoje pertencentes à França, Itália e Suíça. Sua mãe, Dona Francisca de Boisy, senhora muito virtuosa, soube incutir-lhe desde a mais tenra infância o amor a Jesus e Maria. Quiçá também dela tenha recebido a salutar influência que lhe permitiu adquirir uma das virtudes que mais o caracterizaram: nunca perder a calma, nunca inquietar-se, ter inteiramente a alma nas mãos.

Sua mãe ensinava-lhe o catecismo e narrava-lhe belos exemplos da vida dos santos. Isto fez nascer na alma do pequeno Francisco o desejo da santidade e o zelo pelas coisas de Deus.

Desde criança sempre foi muito ativo e cheio de vida. Um fato pitoresco de sua infância denota seu carácter combativo, mas irascível. Bem pequeno ainda, ouvira falar dos calvinistas que haviam dominado a Suíça e boa parte da França. Um dia, soube que um desses hereges estava de visita no castelo de seus pais. Como não podia entrar na sala para protestar, pegou um pedaço de pau e, cheio de indignação, entrou no galinheiro e lançando-se contra as galinhas a pauladas gritava: "Fora com os hereges! Não queremos hereges!" As pobres galinhas fugiam cacarejando ante seu inesperado atacante. Foram salvas pelos criados que conseguiram tirar o menino dali a tempo.

Francisco chegará a ter um gênio tão doce e bondoso que fez São Vicente de Paulo exclamar, quando teve a oportunidade de conviver com ele: “Ó meu Deus, se Francisco de Sales é tão amável, como sereis Vós”?



As batalhas da juventude

Na juventude nasceu-lhe um grande desejo de consagrar-se inteiramente a Deus. Mas seu pai tinha outros planos. Foi mandado a Paris para estudar no colégio dos jesuítas, onde conheceu o bom padre Déage, que foi seu diretor espiritual. Mais tarde mudou-se para Pádua a fim de estudar Direito Civil, como queria seu pai, e Direito Canônico, como desejava o ardor religioso de seu coração. Também praticava esgrima, equitação e frequentava bailes.

Viver na graça de Deus naqueles ambientes não era nada fácil, mas Francisco soube fugir das ocasiões perigosas e de toda amizade que pudesse ofender a Deus. Na Universidade, alguns estudantes perversos, para humilhá-lo por ser tão piedoso, atacaram-no. Francisco, que era perito na arte da esgrima, tirou sua espada e derrotou a todos. Vendo-os desarmados e impotentes, retirou-se, dizendo: "E agradeçam a Deus em quem creio, pois é por isso que não lhes faço mal".

Quando, devido ao seu temperamento, o sangue lhe subia ante humilhações e burlas, ele se continha de tal maneira que muitos pensavam que nunca se encolerizava. O demônio, vendo ser impossível vencê-lo com as tentações mais comuns, atacou-o com violência num ponto muito sensível e difícil: a terrível tentação do desespero da salvação.



Tinha 20 anos quando isso aconteceu

Conhecera a doutrina de Calvino sobre a predestinação, e não conseguia tirar da cabeça a ideia fixa de que ia se condenar. Perdeu o apetite e o sono. Sempre dizia a Nosso Senhor que, se por sua infinita justiça o condenasse ao inferno, concedesse-lhe a graça de continuar amando-O nesse lugar de tormentos. Essa oração lhe devolvia a paz de alma em parte, mas a tentação sempre voltava. O remédio definitivo veio quando, entrando numa igreja em Paris e ajoelhando-se diante de uma imagem da Santíssima Virgem, rezou a conhecidíssima oração de São Bernardo: "Lembrai-Vos, ó piíssima Virgem Maria..." Ao terminar, os pensamentos de tristeza e desespero o abandonaram para sempre e veio-lhe a segurança de que "Deus não enviou o Filho ao mundo para condená-lo, mas para que o mundo seja salvo por Ele" (Jo. 3, 17).


São Francisco de Sales e uma de suas grandes
obras da literatura sacra: "Introdução à Vida 
Devota - Filotéia". 
A vida religiosa e a conquista dos calvinistas

De volta à casa paterna, aos 24 anos, recusou um casamento brilhante e um posto no Senado do Reino. Embora contra a vontade de seu pai, assumiu o cargo de deão da Catedral de Chambéry - por influência de seu tio, Luís de Sales, cônego da Catedral de Genebra, que obteve tal nomeação do Papa e pouco tempo depois foi ordenado sacerdote.

Pregou em Annecy e outras cidades. Embora dotado de grande cultura, suas práticas eram simples, atraindo enormemente todos os que o ouviam.

Mas sua dura batalha começou quando se ofereceu para reconquistar Chablais, na costa sul do lago de Genebra. Esta região estava totalmente dominada pelos calvinistas, cujo exército não deixava os habitantes católicos viverem em paz. Em 14 de setembro de 1594, dia da exaltação da Santa Cruz, com a autorização do bispo Cláudio de Granier, partiu Francisco de Sales a pé para a grande missão. Provações não lhe faltaram. Muitas vezes teve de dormir ao relento. Em uma ocasião refugiou-se no alto de uma árvore durante toda a noite para escapar ao risco de ser devorado pelos lobos. Na manhã seguinte, foi salvo por um casal de camponeses calvinistas que adquiriram grande simpatia por ele.

Santa Joana Francisca de Chantal. Junto com ela 
fundou a Ordem da Visitação, ou, "Visitandinas".
Posteriormente esses camponeses se converteram, dando início à grande transformação religiosa da região. A cada noite, São Francisco e seus companheiros católicos passavam de casa em casa, jogando debaixo das portas folhetos escritos à mão, nos quais eram refutados os falsos argumentos da heresia calvinista. Esse fato lhe valeu o título de patrono dos escritores e jornalistas católicos. Esses escritos foram posteriormente reunidos e publicados sob o nome de Controvérsias.

Poucos anos mais tarde, depois de duras lutas e perseguições, Chablais se converteu totalmente, e o Pe. Francisco foi nomeado bispo coadjutor de Genebra. Para receber a sagração episcopal, dirigiu-se a Roma, onde o próprio Papa Clemente VIII o interrogou sobre 35 pontos difíceis de Teologia, em presença do Colégio cardinalício. "Ninguém dos que examinamos mereceu nossa aprovação de maneira tão completa!"- exclamou o Papa ao descer de seu trono para abraçá-lo.


Bispo príncipe de Genebra

Com a morte de D. Garnier, São Francisco de Sales assumiu o cargo vacante. A generosidade e a caridade, a humildade e a clemência do santo eram inesgotáveis. Em seu trato com as almas foi sempre bondoso, sem cair na debilidade; sabia ser firme quando necessário.

Fundou a Ordem da Visitação com sua dirigida espiritual, Santa Joana de Chantal, em 1604. Entre as obras por ele escritas destacam-se o Tratado do Amor de Deus, que lhe valeu o título de Doutor da Igreja, e Introdução à Vida Devota - Filotéia, nascida das anotações enviadas à sua prima, Senhora de Chamoisy.



Dizia-se do santo uma frase célebre: 
"Francisco de Sales foi em relação à mansidão 
e amabilidade o que Francisco de Assis foi 
em relação à pobreza evangélica".
A medida de amar a Deus

"A medida de amar a Deus consiste em amá-Lo sem medida". Este ensinamento de São Francisco de Sales talvez possa resumir toda a sua existência, pois ele não foi senão um exemplo vivo de tudo o que ensinava. Estando ele ainda vivo, havia já pessoas devotas que guardavam como relíquias os objetos por ele usados.
Vítima de uma paralisia, perdeu a palavra e algo da sua lucidez, porém, recuperou-as em breve tempo. Os esforços médicos feitos para salvá-lo de nada adiantaram. Em seu leito repetia: "Pus toda a minha esperança no Senhor; Ele escutou minha súplica e me tirou do fosso da miséria e do pântano da iniquidade".

Faleceu aos 56 anos de idade, na festa dos Santos Inocentes, em 28 de dezembro de 1622. Seu fígado, devido ao constante esforço para controlar seus ímpetos de cólera, havia-se transformado em pedra. Seu corpo foi encontrado incorrupto 10 anos após seu falecimento.

Ele soube viver inteiramente o conselho de Nosso Senhor no Evangelho: "Aprendei de Mim, que sou manso e humilde de coração, e achareis descanso para vossas almas" (Mt. 11, 29).


São João Bosco de tal modo o admirou que o escolheu para patrono da sua congregação. E Santa Joana de Chantal dele dizia: "Era uma imagem viva do Filho de Deus, porque verdadeiramente a ordem e a economia dessa santa alma era toda sobrenatural e divina".


Outros exemplos de sua vasta iconografia:















Estátua colocada na Basílica de São Pedro, 
em honra do santo, entre as estátuas de 
santos e santas fundadores de Ordens ou 
Congregações Religiosas.