Páginas

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Beato Frederico Janssoone, Presbítero Franciscano, Missionário e Taumaturgo.


Beato Frederico Jansoone
“Franciscano, taumaturgo, guardião dos Santos Lugares, impulsionou a devoção à Via Sacra e aos templos na Terra Santa. Passou grande parte de sua vida no Canadá”.

Este franciscano, devoto de Maria, apóstolo na Terra Santa e em quantas missões lhe recomendaram, nasceu na localidade francesa de Ghyvelde em 19 de novembro de 1838. Seus pais eram honrados camponeses que gozavam de boa posição econômica. Coerentes com sua fé católica, a promoveram em seus numerosos filhos. Assim, Frederico, sendo um adolescente, viu no sacerdócio o mais apreciado ideal para sua vida. E depois de cursar os estudos no colégio de Hazebrouck e no Instituto de Nossa Senhora das Dunas, de Dunquerque, ingressou no seminário. Tinha boa base, porque, quando fez sua Primeira Comunhão na idade de 14 anos, havia recebido uma intensa e larga formação.
Na ocasião, fazia quatro anos que seu padre havia morrido. Foi precisamente essa circunstância que influenciou na economia doméstica e lhe obrigou a deixar em segundo plano sua preparação eclesiástica. Seu sentido de responsabilidade lhe fez ver que sua família precisava de sua ajuda para seguir adiante.
Em 1861 foi sua mãe quem partiu deste mundo, enquanto sua vocação franciscana se fazia cada vez mais palpável em seu interior. Na ocasião, tinha 23 anos e aos 26 deu causa a este sentimento ingressando no convento de Amiens onde fez o noviciado. Logo passou para Limoges e por Bruges, onde completou as etapas de sua consagração. Em 1868 emitiu a profissão e em 1870 recebeu o sacramento da ordem.
Uma de suas primeiras missões foi ao “front”, para assistir como capelão aos soldados que se batiam na guerra franco-prussiana. Quando esta terminou, o destinaram sucessivamente a Branday, a Burdeos – com o fim de abrir um novo convento - e a Paris – onde se fez encarregado da biblioteca. A partir de então, seu trabalho começou a desenvolver-se fora da Europa, marcado com o mesmo selo: o zelo apostólico que havia tido até esse momento. Os cinco primeiros anos que passou na Terra Santa, desde 1876 até 1881, como vigário custodial desse patrimônio incomparável da fé que foi colocado debaixo do amparo dos franciscanos, deixaram uma profunda marca em sua vida. Após um breve período de estada no Canadá, onde arrecadou doações para o sustento dos Santos Lugares, além de incentivar aos fiéis à atividade apostólica, volveu à Terra Santa em 1882. Outros seis anos de estada nela serviram, entre outras coisas, para por em descoberto qualidades que anteriormente permaneceram veladas.
De fato, não se havia apresentando a ocasião de constatar sua valia para o mundo diplomático, porém, nesse período, solucionou assuntos delicados com notável êxito. Quando voltou ao Canadá em 1888 deixava para trás obras como a igreja de Santa Catarina, construída por ele, e os regulamentos do Santo Sepulcro e de Belém. Não retornou mais à Terra Santa, porém, seguiu vinculado a ela na qualidade de comissário.
O resto de sua existência decorreu em terras canadenses, primeiro em Montreal e, depois, em Trois-Rivières, Quebec. Sua vida religiosa era um vivo testemunho de amor a Cristo. Era um homem austero, que havia encarnado o carisma franciscano admiravelmente, humilde, confiável, paciente, acolhendo as dificuldades com paz, disposto a cumprir em todo momento a vontade de Deus.
Vivia o ideal de pobreza com rigor e tratava com ternura aos pobre, que eram seus diletos irmãos em Cristo. Adorava com sumo fervor a Eucaristia e levava gravado em seu coração o amor a Maria. Com esse espírito mariano alentou aos fiéis a penetrarem profunda e fervorosamente em seu culto e a viverem piedosamente. Impulsionou peregrinações ao Santuário da Virgem Du-Cap, próximo a Trois-Rivières, que presidia como reitor; recordava a todos que se chega ao Filho através da Mãe. Também foi devoto do Sagrado Coração de Jesus e de São José. Compartilhou estas três dileções com o povo e produziu um notável incremento de fiéis que acudiam a Jesus, Maria e José. Pela mediação da Virgem, Frederico recebeu graças extraordinárias e ocorreram curas milagrosas. Converteu a muitas pessoas.
Infundiu grande amor à adoração eucarística. Pregava, catequizava, assistia às fraternidades franciscanas seculares, difundindo o carisma que havia abraçado. Também redigia escritos espirituais e catequéticos e buscava ajuda para erigir obras de grandes proporções como o Santuário da Virgem do Rosário, de Cap La Madeleine, - que logrou converter em um templo de adoração perpétua de Québec – e o mosteiro das Clarissas de Valleyfield. À instâncias suas, se erigiram imponentes vias sacras em vários lugares. Nada disso teria seguido adiante se não houvesse estado submerso na oração e na penitência.

Morreu em Montreal em 04 de agosto de 1916. Tinha 77 anos. São João Paulo II o beatificou em 25 de setembro de 1988. Suas relíquias são veneradas em Trois-Rivières. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário