Páginas

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Beato João Antônio Farina, Bispo e Fundador (será canonizado em novembro de 2014)


Sacerdote de extraordinária espiritualidade e de grande generosidade apostólica, João Antônio Farina pode ser considerado um dos mais insignes Bispos dos anos Oitocentos. Foi o Fundador das Irmãs Mestras de Santa Dorotéia Filhas dos Sagrados Corações, que trabalham atualmente em várias partes do mundo com atividades educacionais, assistenciais e pastorais.

Nascido em Gambellara (Província de Vicenza) em 11 de maio de 1803, filho de Pedro e de Francisca Bellame, João Antônio Farina recebeu a primeira formação das mãos de seu tio paterno, um santo sacerdote que foi para ele verdadeiro mestre de espírito e também seu preceptor, uma vez que, naquela época, não havia escolas públicas nas pequenas localidades. Aos quinze anos, entrou para o Seminário Diocesano de Vicenza, onde frequentou todos os cursos, distinguindo-se pela bondade de alma e por uma particular aptidão para os estudos. Aos 21 anos, enquanto ainda frequentava a Teologia, foi designado professor no Seminário, revelando excepcionais dotes de educador.

Em 14 de janeiro de 1827, foi ordenado sacerdote e, logo em seguida, conseguiu o diploma de habilitação para o ensino nas escolas elementares. Nos primeiros anos, de ministério, exerceu várias funções: o magistério no Seminário por dezoito anos, a capelania de São Pedro em Vicenza por dez anos e a participação em várias instituições culturais, espirituais e caritativas da cidade, entre as quais a direção da escola pública elementar e do liceu.

Em 1831, deu início, em Vicenza, a primeira escola popular feminina e, em 1836, fundou as Irmãs Mestras de Santa Dorotéia Filhas dos Sagrados Corações, um instituto das «mestras de comprovada vocação, consagradas ao Senhor e dedicadas inteiramente a educação das meninas pobres». Logo ele quis que as suas religiosas se dedicassem também às meninas de famílias abastadas, às surdas-mudas e às cegas. Enviou-as em seguida para a assistência aos doentes e aos idosos nos hospitais, asilos e nos domicílios Em 1° de março de 1839, conseguiu do Papa Gregório XVI o Decreto de Louvor. As Regras que elaborou permaneceram em vigor até 1905, quando o Instituto foi aprovado pelo Papa Pio X, que fora ordenado Sacerdote pelo próprio Bispo Dom Farina.

Foto rara do beato (futuro santo)
Em 1850, foi eleito Bispo de Treviso, tendo recebido a consagração episcopal em 19 de janeiro de 185l. Nesta Diocese, desenvolveu uma multiforme atividade apostólica: iniciou imediatamente a visita pastoral e organizou em todas as paróquias, associações para a ajuda material e espiritual aos indigentes, o que lhe mereceu ser chamado de «o Bispo dos pobres». Incrementou a prática dos exercícios espirituais e a assistência aos sacerdotes pobres e enfermos. Cuidou da formação doutrinal e cultural do clero e dos fieis, da instrução e da catequese da juventude. Todo o decênio de seu episcopado em Treviso foi perturbado por questões jurídicas com o Cabido da Catedral, questões que lhe causaram profundo sofrimento e interferiram na concretização do seu programa pastoral, ficando muitas iniciativas, a ponto de impedir a celebração do Sínodo diocesano.

Em 18 de junho de 1860, foi transferido para a sede episcopal de Vicenza, onde pôs em marcha um vasto programa de renovação e desenvolveu uma impressionante obra pastoral, orientada para a formação cultural e espiritual do clero e dos fiéis, para a catequese das crianças, para a reforma dos estudos e da disciplina no Seminário. Convocou o Sínodo diocesano, que não se celebrava desde 1689. Na visita pastoral, percorreu algumas vezes vários, quilômetros a pé ou em lombo de mula, para alcançar até mesmo lugarejos de montanha que jamais tinham visto um Bispo. Instituiu numerosas irmandades para a assistência aos pobres e aos sacerdotes idosos e para a pregação de exercícios espirituais ao povo. Incrementou uma profunda devoção ao Sagrado Coração de Jesus, a Nossa Senhora e à Eucaristia. Entre dezembro de 1869 e junho de 1870, participou do Concilio Vaticano I, onde esteve entre os que apoiavam a definição dogmática da Infalibilidade Pontifícia.


Os últimos anos de sua vida foram assinalados por abertos reconhecimentos de sua atividade apostólica e de sua caridade, mas também por agudos sofrimentos e por injustas acusações diante das quais reagiu com o silêncio, com a tranquilidade interior e o perdão, com a fidelidade à própria consciência e à regra suprema da «salvação das almas”. Depois de uma primeira grave enfermidade em 1886, suas forças físicas se debilitaram gradativamente, até ao ataque de apoplexia que o levou à morte, em 4 de março de 1888.

Nenhum comentário:

Postar um comentário