Páginas

Encontre o (a) Santo (a), Beato (a), Venerável ou Servo (a) de Deus

sábado, 28 de junho de 2014

Beata Maria Pia Mastena, Virgem e Fundadora


Beata Maria Pia Mastena
MARIA PIA MASTENA nasceu em Bovolone, na província de Verona, Itália, aos 7 de dezembro de 1881.

Dos pais da beata as testemunhas falam como de ótimos cristãos e muito fervorosos na prática religiosa e no exercício da caridade. Dos quatro irmãos, o último, Tarcísio, entrou na Ordem dos Frades Capuchinhos e morreu também ele com fama de santidade.

A futura beata, com apenas 10 anos de idade, em 19 de março de 1891, recebeu com grande fervor a primeira comunhão, por ocasião da qual emitiu privadamente o voto de castidade. Em 29 de agosto recebeu o sacramento da Confirmação. Durante a adolescência foi assídua às funções religiosas e às atividades da paróquia, particularmente como catequista.


Logo nela se fez sentir o chamado à vida religiosa, perseguindo o seu ideal marcado por uma forte devoção eucarística e à Sagrada Face. Pediu para entrar no convento na idade de 14 anos, mas foi aceita somente em 1901, como postulante, no Instituto das Irmãs da Misericórdia, de Verona.

Com a licença dos Superiores, aos 11 de abril de 1903, no mesmo dia no qual — sem que o soubesse — partia para o Céu a mística de Lucca, santa Gemma Galgani, fez pessoalmente “voto privado de vítima”.

Vestiu o hábito religioso aos 29 de setembro de 1902, e aos 24 de outubro de 1903 emitiu os votos religiosos e foi-lhe imposto o nome de Ir. Passitea do Menino Jesus. A Beata viveu com generosa intensidade espiritual esta primeira etapa de vida religiosa e lembrar-se- á sempre dela como um tempo de graça e de bênção e sempre falará com estima e reconhecimento dos superiores e das coirmãs do Instituto das Irmãs da Misericórdia. O fervor encontrado neste Instituto levá-la-á a fazer em seguida o voto de buscar em tudo a coisa mais perfeita.

Desenvolveu a tarefa de professora em diversos lugares do Veneto, e por 19 anos transcorreu-os em Miane, dedicando-se também a um intenso apostolado entre os alunos de todas as idades, doentes e inábeis.

Com a autorização dos seus Superiores e a permissão da Santa Sé, entrou, aos 15 de abril de 1927, no mosteiro Cisterciense de San Giacomo de Veglia, para secundar o seu anelo contemplativo.


Aos 15 de novembro de 1927, encorajada pelo Bispo de Vittorio Veneto, saiu do Mosteiro, retomou o ensino e passou à instituição de uma nova Congregação denominada Religiosas da Sagrada Face. Ereta canonicamente aos 08 de dezembro de 1936, depois de tantos sofrimentos, foi reconhecida como Congregação de Direito Pontifício aos 10 de dezembro de 1947.

Toda a sua atividade seguinte foi dedicada à consolidação e à expansão da Congregação, promovendo novas iniciativas para os pobres, sofredores e doentes, confiando ao Instituto o carisma de “propagar, reparar, restabelecer a imagem do doce Jesus nas almas”. 
Morreu em Roma, aos 28 de junho de 1951.





Homilia do cardeal José Saraiva Martins na missa de beatificação.

“Tudo o que somos e tudo o que possuímos, devemos empenhá-lo e pô-lo ao serviço do Senhor e do nosso próximo, numa palavra, devemos fazer com que se torne caridade!” “Por este motivo Jesus louva os dois homens que souberam fazer frutificar os talentos recebidos: foi precisamente isto que fizeram os santos, na lógica divina do amor e da doação total de si”.
“A vida do cristão é verdadeiramente uma longa vigília, um tempo de espera do Senhor. Mas nós, como recorda o Apóstolo, somos "todos filhos da luz" (Ts 5, 5) porque mediante o Batismo somos inseridos em Cristo, Luz do mundo. Luz bem visível e iluminadora foi a que fez brilhar a Beata Maria Pia Mastena, a qual viveu a sua condição de religiosa, na busca contínua de levar ao rosto dos irmãos, o esplendor da Sagrada Face, por ela tão amada.” “O rosto do homem, sobretudo quando é deturpado pelo pecado e pelas misérias deste mundo, só poderá resplandecer quando for conforme ao de Cristo, martirizado na Cruz e transfigurado pela glória do Pai. Madre Mastena sentiu a forte tensão missionária de "levar o Rosto de Jesus aos homens de todo o mundo, aos lugares mais pobres e abandonados".

 “Olhando para a santidade da Beata Madre Mastena é legítimo reconhecer nela uma grande artista que soube imprimir em si mesma a Imagem de Cristo, assumindo, mediante a prática de tantas virtudes, o "Rosto dos rostos", o Rosto mais belo que possa haver entre os filhos dos homens.” “Ela conseguiu fazer transparecer, pelas suas características pessoais, o Rosto do Senhor nas expressões da misericórdia, da caridade, do perdão, do serviço a tempo inteiro às pessoas mais necessitadas.” Com grandes sacrifícios, dificuldades, fé e tenacidade, em 1936, a Beata Mastena fundou a Congregação das Religiosas da Sagrada Face, transmitindo às suas irmãs de hábito o seu projeto de vida, que em síntese definia: "propagar, reparar, restabelecer a Face de Cristo nos irmãos". Assim explicava, com poucas palavras mas intensas, às jovens Irmãs, o carisma das religiosas da Sagrada Face: "Quando um irmão está triste e sofre é nossa tarefa fazer com que o sorriso volte ao seu rosto... Esta é a nossa missão: fazer sorrir o rosto do doce Jesus no rosto do irmão!".


 Num mundo de pessoas distraídas em relação às coisas eternas é atual como nunca o exemplo esplendoroso da Beata Madre Mastena de cujo rosto transparecia, como filigrana, o rosto sorridente de Cristo. Toda a pessoa da Madre Maria Pia estava repleta da presença de Cristo Crucificado e Ressuscitado, de maneira evidentemente superabundante, a ponto de a estimular a servi-lo nos pobres de todos os gêneros e a identificar-se na Eucaristia celebrada e adorada. "Muito bem, servo bom e fiel, foste fiel no pouco, muito te confiarei. Entra na alegria do teu senhor" (Mt25, 21).


Nenhum comentário:

Postar um comentário