Páginas

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

SERVA DE DEUS TERESA MUSCO, Virgem, Alma Vítima, Reparadora e Estigmatizada.



Teresa Musco nasceu numa pequena vila em Caiazzo (Província de Caserta-Itália) em 07 de junho de 1943. Sua família era uma típica família italiana do sul, honesta e religiosa. Seus pais tiveram 10 filhos, porém quatro morreram ainda crianças. Seu pai Salvatore era agricultor, homem de temperamento muito forte, sua palavra era lei para ser obedecida. Toda família sofria com sua severidade, especialmente Teresa que foi a mais atingida. Sua mãe, Rosa Zullo era de temperamento suave, acomodada em seu lar, sempre obediente ao marido. Eram muito pobres e sobreviviam com dificuldades. Na época que Tereza nasceu, um fato trágico ocorreu na tália: a confusão gerada pela guerra com a Alemanha trouxe sofrimentos, bombardeios e dias de dor.
         Teresa diria, um dia: “com cinco anos eu já me sentia adulta".  Tereza começou a sofrer cedo: dores de cabeça, febre alta, ao mesmo tempo que começaram as visões de Jesus, da Virgem Maria e anjos e santos. Logo esta notícia correu. Uma criança tinha sido agraciada com uma graça especial. São Paulo diz em Colossenses 1,24: “Agora me alegro nos sofrimentos suportados por vós. O que falta às tribulações de Cristo, completo na minha carne, por seu corpo que é a Igreja".
Teresa conta que toda manhã, seu anjo da guarda vinha visitá-la e pedia que rezasse pelos pecadores e pela salvação das almas. Ao mesmo tempo, Teresa sofria muito com os maus tratos de seu pai. Seu anjo a consolava quando ele a maltratava. Também, será com apenas cinco anos que Jesus irá interrogá-la: “Teresa, você Me ama? Sim Senhor, respondeu ela. Jesus afirmou que a amava muito e que de bom grado se deixaria crucificar outra vez por ela.
Em seu diário, ela deixou escrito: com seis anos, eu encontrava muitas maneiras de sofrer. Qualquer sacrifício, qualquer dor era para salvar os pecadores, as almas do purgatório, as almas em perigo de irem para o inferno e pelos pecados contra a castidade. Ela fez uma corda com muitos nós e amarrou com bastante força em volta dos quadris. Nossa Senhora ensinava muitas maneiras de salvar almas do inferno, assim como fez com Jacinta de Fátima.
Teresa fez sua Primeira Comunhão com 12 anos. Sofreu muito com a recusa de seu pai em lhe dar permissão para a Primeira Eucaristia.
         Em primeiro de fevereiro de 1950, Teresa deitou-se na cama com grandes sofrimentos e Jesus apareceu para ela, abriu Seus Braços e disse:“ Coragem, minha criança, a força vem de Mim, levante-se de seu cansaço e vá Me receber na Santa Comunhão. É o meu desejo.”.
         Em certa ocasião, a família de Teresa estava na mais profunda miséria e seu pai muito nervoso e violento. Teresa recorreu a Virgem Maria e quando estava cortando a grama, encontrou no meio do gramado, uma bolsa: apanhou e não achou nenhum documento, nome ou endereço, somente 50.000 liras. A menina buscou saber de quem era, porém nada descobriu. De outra vez, a situação agravou-se com uma epidemia e toda família adoeceu. Mais uma vez, Teresa correu para Nossa Senhora para ajudá-la. Um anjo veio e lhe entregou certa quantia, dizendo ter sido enviado por Nossa Senhora e pedindo segredo.
Em primeiro de novembro de 1950, Teresa foi à Igreja, quando a Missa acabou, um venerável sacerdote aproximou-se de Teresa e disse: “Criança, eu recomendo que você reze pelas almas do purgatório, pois não há ninguém que reze por elas”.
    Teresa perguntou o nome do padre que lhe respondeu sorrindo: “Eu sou o Padre Pio”. Com estas palavras, mostrou-lhes suas mãos e os estigmas. Então, ele a abençoou e seguiu seu caminho.
 Teresa tinha dez anos quando Nossa Senhora ditou para ela, o programa de vida que ela deveria seguir, e eram cinco pontos: 

1) Deus seja sempre seu único fim. 
2) Jesus seu modelo. 
3) Maria sua professora.
4) Os anjos seus guias.
5) E você sempre vivendo em sacrifício. 

Um famoso professor de teologia (P. G. Roschini) falou sobre este programa: “Não há nada mais perfeito para uma vida: indiscutivelmente longe do entendimento de uma criança de 10 anos”.
Guiada por Nossa Senhora, Teresa surpreendia pelos caminhos profundas da mística que vivia. Ela também começou a falar línguas estranhas que os estudiosos em línguas mortas, classificaram como Aramaico de Nazaré

A série de sacrifícios continuava, fazendo que ela sofresse dores terríveis. Tantos sofrimentos interiores tornavam sua saúde muito frágil e frequentemente seu estado de saúde se agravava. Sofria dores de cabeça intensas a ponto do médico ter dito que não havia outro tratamento além da radioterapia. Em janeiro de 1954, após muitos sofrimentos o médico exclamou: Puxa, você tem fígado de boi! E, ordenou um tratamento muito doloroso. A febre subiu tão alto que ele chegou a usar quatro termômetros diferentes. No mesmo ano em novembro, ela sofreu fortes dores abdominais, cujo diagnóstico foi apendicite aguda e ela foi levada imediatamente para o hospital. Em curto espaço de tempo ela foi internada três vezes no hospital de Caserta e foi  neste hospital que ela se submeteu a cento e dezessete cirurgias.
    Certa vez, ao regresso do hospital para casa, seu pai, irado disse; “ Você é uma preguiçosa, a desgraça da família. Estou cansado de tê-la ao meu lado, arranje um casamento e saia do meu caminho. E, não peça mais para o padre vir aqui para dar a Comunhão diariamente, não quero mais o padre aqui em casa. Você me irrita com isso! Estas palavras feriram Teresa profundamente, pois o consolo dela era a Eucaristia que recebia, diariamente.
Um dia, Teresa ouviu de Jesus: “ Uma família que não reza junto e não vai regularmente receber a Sagrada Comunhão, não pode estar em paz, não pode haver amor verdadeiro entre eles. Quando você crescer, irá encontrar muitos sacerdotes; Eu olho para eles como Meus filhos prediletos. Você deve dizer a eles e também ao povo, para receber a Comunhão frequentemente, tanto quanto for possível e rezar especialmente o Rosário.”
Teresa rezava constantemente, chegando a recitar quinze terços, por dia. A oração era o caminho da vida dela. Muitas orações lhe eram ensinadas pelo seu Anjo da Guarda.
     Toda a vida desta criança foi de sofrimentos, dores e uma rejeição imensa da parte de seu pai. Em certas ocasiões, ele era cruel com ela.
         Durante um período, a Virgem Maria providenciou que ela voltasse para Caserta onde foi acolhida por uma piedosa senhora a quem chama de tia Antoniette. Neste período, ela encontrou algum tempo de paz. Em setembro, Tereza foi convidada para ir à Lourdes, na França. Quando chegou aquele abençoado lugar, ela entrou na gruta,ela rezou e chorou muito, depois foi banhar-se nas piscinas próprias para os doentes e qual não foi sua surpresa quando disse que a água era muito morna e soube pelos outros que água era bastante fria. Na segunda vez que se banhou, aconteceu algo extraordinário: suas feridas abertas, uma na perna, outra no abdome, fecharam-se instantaneamente na água.Teresa passou horas felizes em Lourdes e sentiu-se triste ao se despedir deste local de graças. Durante algum tempo depois que voltou, Teresa estava muito bem, sua saúde estava ótima, podia andar, correr...porém, foi por pouco tempo.
         Em março de 1969, quinta-feira santa, às dez horas da manhã, Teresa conta que a Mãe de Jesus apareceu para ela de roupa preta, véu preto e lágrimas escorrendo de sua face. Ela disse: “Teresa, minha filha, Meu querido filho deseja dar a você, Suas Chagas. Assim que Teresa ouviu estas palavras, se ajoelhou e viu Jesus mais radiante que nunca, raios brilhavam de suas roupas e Ele perguntou à Teresa:” Teresa, você Me ama?” Sim Senhor. 

Então, Jesus a tomou em Seus braços e disse: “Agora você tem que seguir o caminho do Calvário, Comigo.” Ela começou a subir caminhando para o alto. O caminho era espinhoso e cheio de pedras. Quando Ele alcançou o topo, Teresa viu uma Cruz muito alta que a apavorou. Ela disse; “me senti indefesa. Então, dois homens vieram até a mim e me agarraram. Eles me colocaram numa cruz e me pregaram nela. Eu senti meus nervos sendo repuxados e todo o meu corpo tremendo”.
   Quando tempo durou? Três dias.Tereza levantou na manhã do Domingo de Páscoa e ao seu lado estava tia Antoniette. Entre lágrimas, ela falou dos cravos mas suas mãos, seus pés e pediu a ela que não falasse para ninguém. Ela prometeu não dizer, porém encontrando um sacerdote, contou-lhe: Padre, Teresa tem os estigmas nas mãos e nos pés, ao que o padre respondeu: Diga a ela que procure um médico. Ela sentiu-se perdida, abandonada. 

Padre Giuseppe Borra, Passionista, com Teresa.
 Certa vez, durante uma Missa, Teresa ouviu Nossa Senhora dizer: “daqui seis meses, você encontrará seu padre confessor, seu diretor espiritual”. Teresa sabia que o nome dele era Giuseppe Borra, porém não sabia em que lugar de Caserta ele vivia. 
         Jesus sofreu a Coroação de espinhos, a flagelação e teve seu lado atravessado pela lança. Teresa completou sua participação nos sofrimentos da Paixão de Jesus, no dia primeiro de julho, numa quinta-feira, dia dos sacerdotes, durante uma oração para eles. Ela participava e sofria dores indescritíveis. Ela desejava sofrer com Jesus e perguntou para Ele se era o Seu desejo, que ela também sofresse deste modo. Jesus aproximou-se colocou a Coroa se espinhos na cabeça de Teresa e com Suas mãos que brilhavam apertou na fronte de Teresa. Teresa sofreu muito mas estava muito feliz. A testa de Teresa nunca mais ficou livre do sangue. 

 

Toda a vida de Teresa pode ser resumida em sofrer com e por Jesus, uma vida de intensos sacrifícios da Paixão do Senhor.
         Em agosto de 1976, Teresa tinha 33 anos e foi levada às pressas para a Clínica dei Gerani, porém não chegou lá com vida. Durante dois dias  e duas noites, o povo passava ao lado de seu leito. Teresa, toda vestida de branco, com suas mãos chagadas era o perfeito retrato da vítima crucificada.   
      A multidão de pessoas em certos momentos era tão grande que as autoridades decidiram chamar a polícia para organizar o trânsito. Houve uma celebração na Catedral de Caserta concelebrada por 20 sacerdotes. Todo o tráfego da cidade ficou bloqueado. Quando o caixão de Teresa deixou o local, o povo reunido aplaudia muito, quando a levaram para a Catedral.  O canto mariano predileto de Tereza foi entoado no funeral no Cemitério de Caserta: Andrò a vedela un di.

Imagem do Menino Jesus que chorou sangue.

             Nota do publicador do blog: 
             Caros leitores do Blog Santos, Beatos, Veneráveis e Servos de Deus, a paz esteja com todos! Todas as vezes que leio uma história como esta de Teresa Musco me pergunto: meu Deus, o que será de mim? Se Deus, para salvar almas, exige tanto de uma pessoa como Teresa, permitindo por vezes sofrimentos atrozes, pergunto: o que será de minha salvação eterna? Sei que ela é uma alma vítima, uma eleita. No entanto, não devíamos pelo menos nos esforçarmos em oferecer a Deus mortificações, penitências e sacrifícios não somente por nossa alma, mas, pelas de tantos milhões que estão afastados de Deus? Confesso que tenho vergonha de ser tão tíbio e preguiçoso como sou. Que Deus tenha misericórdia de minha pobre alma e ao menos, por causa de sua infinita Misericórdia, me alcance a graça do perdão diante de minha tão grande miséria. Amém. 

Serva de Deus Teresa Musco, rogai por nós! 










Um comentário:

ADERBAL CORREA disse...

Cada vez que debruço em pesquisar as manifestações Marianas sinto o quanto estou afastado deste poder imenso que chamamos de "Deus" que tenha misericórdia de Mm e do mundo inteiro.

Postar um comentário