Páginas

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Beatas Maria Teresa Ferragud Roig e suas Quatro Filhas, Mártires (Espanha, 1936)

Hoje, a Igreja faz a memória (facultativa) das Bem-Aventuradas Maria Teresa Ferragud Roig e de suas quatro filhas religiosas, mártires. Todas foram vítimas do ódio à fé católica impetrado pelos "revolucionários" da famigerada Guerra Civil Espanhola, em 1936. 


    A Beata Maria Teresa, mãe de família, católica fervorosa, soube implantar em sua casa uma profunda vivência da fé. Lá ia-se à missa diariamente, além da reza cotidiana do santo rosário, bem como a visita frequente ao Santíssimo Sacramento. Os frutos dessa religião? Quatro filhas que se consagraram ao Senhor na vida religiosa: Maria de Jesus, Maria Verônica e Maria Felicidade (que se tornaram monjas clarissas capuchinhas) bem como Josefa da Purificação, que se tornou monja agostiniana descalça.
    Em 1936, quando ocorreu a violenta perseguição à Igreja, todas foram chamadas a testemunhar sua fé pelo martírio. 
Beata Josefa
    À semelhança da mãe e irmãos Macabeus, a Beata Maria Teresa assistiu as suas filhas sendo fuziladas uma a uma, com o brado de "Viva Cristo Rei" nos lábios, enquanto a mesma as encorajava a aceitar com amor a morte e a perdoar os seus inimigos. Quando chegou a sua vez de ser fuzilada, um de seus assassinos disse: "mulher velha (já tinha 84 anos), não tens medo de morrer"? Ao que ela respondeu: "desejo ardentemente ir para onde minhas filhas já estão: junto ao Senhor". Quando tombou ao chão, um de seus verdugos disse: "Esta mulher era realmente uma santa". 
    Que as Beatas rezem pelas famílias, especialmente as do nosso país, tão assoladas pelo pecado e por tantos vícios.