Páginas

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Venerável Edel Quinn, Virgem Legionária de Maria e missionária na África.


Edel Mary Quinn foi uma irlandesa missionária católica da Legião de Maria, associação de leigos católicos, que trabalhou no continente africano. Morreu no Quênia vítima de tuberculose.
Nascimento: 14 de setembro de 1907, Kanturk, República da Irlanda.
Falecimento: 12 de maio de 1944, Nairóbi, Quénia.


"Edel Quinn é uma jovem irlandesa em vias de se tornar uma glória de seu país, uma figura legendária na terra africana".  É assim que o Cardeal Suenens inicia a biografia da “heroína” de nosso apostolado. Mas era uma simples moça irlandesa, encantadora, alegre e atraente, como tantas outras que, "pelo extraordinário exemplo de sua vida, viria a alterar o curso da história".

Nasceu no dia 14/09/1907, em Greenane, perto de Kanturk, no Condado de Cork (Irlanda). Conheceu a Legião através de uma amiga, que recusou um convite de Edel para ir até sua casa, porque tinha de ir a uma reunião da Legião de Maria. Edel interessou-se pelo movimento, quis participar da reunião, se apaixonou e nunca mais o largou. Após passar dois anos como membro ativo foi nomeada presidente de um praesidium que trabalhava com a recuperação de mulheres decaídas. Em 30/10/1936, partiu para a África Oriental, como Enviada da Legião, dedicando-se a um apostolado heroico até a morte, por sete anos e meio, sem nunca voltar à pátria e rever a família.
Apesar das inúmeras dificuldades, como o de sua saúde frágil, fundou a Legião de Maria em todo o território do Vicariato de Zanzibar e os imensos territórios de Quênia, Tanganica, Uganda, Niassalândia e Ilhas do Maurício.
Por causa de sua fragilidade, foi forçada a repousos em hospitais, mas, ainda assim, prosseguia em seu apostolado, através da oração e da correspondência. Todos os que a conheceram de perto observaram que, sob a intensa atividade exterior, escondia-se uma profunda vida de união com Deus. A Missa, desde a juventude até o final, foi o centro de sua vida, viajava horas e horas em jejum, chegando a ficar até 17 horas sem comer, só para poder receber a Santa Comunhão. Atribuía ela ao Santíssimo Sacramento a graça de poder prosseguir na luta: "Como a vida seria solitária sem Ele", escreveu certa vez.
Seu imenso amor pela Virgem Mãe de Deus, sua confiança e total dependência de Maria, estava presente em todos os aspectos de sua vida, tendo alcançado um grau pouco comum de união com Nossa Senhora. Sempre se questionava o que faria a Virgem Santíssima, antes de tomar qualquer decisão. Quando lhe perguntaram se alguma vez lhe tinha recusado alguma coisa, respondeu: "Não, nunca lhe neguei nada, em tudo quanto me pareceu ser a sua vontade".
Conservou-se sempre alegre até o fim. Fim este que foi repentino, de surpresa, apenas perguntou: "O que está acontecendo comigo? Será que Jesus veio me buscar?" Foi no dia 12/05/1944. O seu falecimento foi comunicado a Dublin, centro da Legião de Maria, por telegrama expedido pelo Exmo. Sr. Cardeal Secretário de Estado de Sua Santidade, quando, estando ainda a Europa em guerra, a notícia chegou ao conhecimento do Vaticano. Em Nairóbi, onde estabelecera a sua primeira Curia anos atrás, foi sepultada em cemitério reservado aos missionários.
Em 15 de dezembro de 1994 o Papa João Paulo II declarou Edel Quinn "venerável", sendo assim oficialmente reconhecidas pela Igreja suas virtudes heroicas.


Oração para pedir a beatificação de Edel Quinn

Eterno Pai, eu vos agradeço a graça que concedeste a vossa Venerável Edel Quinn, de se esforçar por viver sempre na alegria da Vossa presença; eu Vos agradeço a sua irradiante caridade infundida no seu coração pelo Vosso Espírito Santíssimo e a força que ela hauriu no Pão da Vida, para trabalhar até a morte pela glória do Vosso Nome, em amorosa dependência de Maria, a Mãe da Igreja.

Confiado, ó Pai Misericordioso, em que sua vida Vos tenha agradado, peço-Vos me concedais, por sua intercessão o favor especial que agora eu Vos imploro..., e torneis conhecida por meio de milagres a glória que ela goza no céu, par que possa ser glorificada pela Vossa Igreja na terra, por Cristo Nosso Senhor, Amém.



Edel Quinn (ao centro, de chapéu), ladeada por uma religiosa e um grupo
de enfermeiras e cuidadoras locais.

Edel Quinn já bastante debilitada pela enfermidade que
a levaria à morte (tuberculose). 

Corpo da legionária de Maria e missionária, Venerável
Serva de Deus Edel Quinn, em seu velório. 

Túmulo onde repousam os restos mortais da
          Venerável Serva de Deus Edel Quinn. 

Túmulo de Edel Quinn sendo venerado por membros da
Legião de Maria

Capa do livro biográfico de Edel Quinn escrito pelo
grande Cardeal Suenens 

Venerável Edel Quinn, glória e honra da Legião de Maria


Nenhum comentário:

Postar um comentário