Páginas

domingo, 22 de dezembro de 2013

Serva de Deus Madre Esperança de Jesus, virgem e fundadora (estigmatizada).


Serva de Deus Esperança de Jesus, virgem,
estigmatizada e fundadora de duas Congregações

    Esperança de Jesus nasceu em Santomera de Múrcia, no interior da Espanha em 30 de setembro de 1893. Filha de pais humildes e pobres, foi batizada no mesmo dia com o nome de Maria Josefa. Com sete anos lhe arrumaram um emprego na casa do vigário. Lá, além de trabalhar, ela pode aprender, com as irmãs do padre e algumas senhoras, o catecismo e ainda a ler e escrever.
Dos fatos que marcaram sua infância, destacam-se a misteriosa visita que a pequenina recebeu aos doze anos: “Estava na casa do tio Padre, ouvi tocar a campainha, desci e vi uma freira muito bonita, que nunca tinha visto antes. Fiquei admirada por ver que não trazia sacola para receber esmola; pensei, de fato, que fosse uma freira mendicante e lhe disse logo: ‘Irmã, onde guarda as coisas que lhe dou se nem sacola tem?’ E ela respondeu: ‘Menina, não foi para isso que vim’! ‘Mas deverá estar cansada da viagem? Pegue uma cadeira’. ‘Não estou cansada’. ‘Com este calor, deverá ter sede!’‘Não tenho sede’. ‘Então o quer de mim?’ E, ela me disse: ‘ Vê, menina: eu vim lhe dizer da parte do bom Deus que tu deverás começar onde eu terminei’. E me falou demoradamente da devoção ao Amor Misericordioso que eu teria de difundir por todo o mundo. Depois de certo momento, me virei e a freira não estava mais”. Esta religiosa era santa Teresinha do Menino Jesus.


Madre Esperança quando ainda jovem religiosa


     Aos vinte e um anos, Maria Josefa ouvindo o chamado de Jesus, saiu de casa para ingressar na Congregação das Filhas do Calvário. No dia 15 de outubro de 1915, ela deixa sua casa paterna, dizendo a sua mãe: "Mamãe, amanhã é dia de Santa Teresa e desejo tornar-me uma grande santa como ela, e que me ajude a seguir Jesus como Ela seguiu”.
     O Convento das Filhas do Calvário possuía poucas religiosas e não via uma vocação há muito tempo. Neste convento, a pequena Maria Josefa recebeu o nome de Maria Esperança de Jesus Agonizante. Será neste convento que, entre sofrimentos e humilhações, Jesus preparará sua esposa para a missão que ela terá que cumprir na Igreja.



    A Congregação das Filhas do Calvário uniu-se à Congregação Claretiana e suas religiosas tiveram que assumir uma nova regra, novo hábito e fazer nova profissão religiosa. Nossa amiga chamar-se-á Maria Esperança de Santiago. Também entre as Claretianas, Esperança sofrerá inúmeras humilhações, mas será aí que o Espírito Santo vai visitá-la com inúmeros dons, entre estes, os estigmas.
    A Madre Geral das Claretianas, em 04 de abril de 1928, escreverá: “De uns tempos para cá, parece que Deus a está conduzindo por uns caminhos de certo modo extraordinários. Houve um período em que o demônio a atormentava, golpeando-a até deixá-la meio morta, como atesta Madre Maria Ana Rué, (a superiora) que a viu e ouviu muitas vezes. Depois, parece que isso acabou, mas quase todas as semanas, nas noites de quinta para sexta-feira, é tomada por um suor de sangue que, às vezes, a deixa tão prostrada de ter de ficar de cama por vários dias. Agora, desde a primeira sexta-feira da quaresma, lhe apareceram nos pés os estigmas, exatamente como em alguns santos. Conservam-se sempre como feridas frescas e, às vezes, perdem muito sangue”.
    Desde a Quaresma de 1928, Maria Esperança será agraciada pelos estigmas de Nosso Senhor, sinal visível de sua união com Jesus Cristo.
  Madre Esperança recebeu do Senhor Jesus, a missão de fundar uma Congregação, e para poder cumprir sua missão terá que sofrer inúmeras humilhações e contradições. Mas, apesar do ataque do inferno, na noite do Natal de 1939, Madre Esperança funda a Congregação das Servas do Amor Misericordioso, segundo as orientações de Jesus. Também nesta época, ela mandará esculpir conforme as indicações de Jesus, a imagem do Amor Misericordioso. Conforme o impulso do Espírito Santo, a Congregação se espalhará. Sofrerá perseguições, calúnias, divisões... Mas a obra de Deus permanece.
Madre Esperança e Alfredo di Penta, primeiro Filho
do Amor Misericordioso

    Madre Esperança foi distinguida por inúmeros carismas extraordinários, como: visões, estigmas, bilocações, profecias. Mas o que mais impressiona em sua vida é seu amor por Deus, e sua dedicação aos mais pequeninos. Madre Esperança dará sua vida pelos pobres, pelas crianças, pelos que sofrem. Ela se tornará por sua vida sinal vivo do amor Misericordioso de Deus.
    Mas a vontade de Jesus, não havia se completado. Jesus também pedira a fundação de uma congregação masculina, com a missão de anunciar o Amor Misericordioso e ajudar os sacerdotes, especialmente os diocesanos. Então, em 15 de agosto de 1951, em Roma, surge no seio da Igreja, a Congregação dos Filhos Amor Misericordioso.
Madre Esperança, incansável operária da messe do Reino de Deus, não havia ainda acabado sua missão. Jesus ainda desejava dar a Igreja outro dom através desta sua serva: o Santuário do Amor Misericordioso. Será esse o projeto onde Madre Esperança gastará suas últimas forças.

O Papa são João Paulo II beija Madre Esperança por ocasião de sua visita



Imagem do Amor Misericordioso de Jesus


    Neste Santuário ela será visitada em 1981, pelo Santo Padre João Paulo II. Aí, ela entregará sua vida ao Seu amado, a quem ela dedicou toda sua vida, aos 08 de fevereiro de 1983. “Por amor”, foi o lema de toda a sua vida, e foi nos braços do Amor que ela repousou. 


Corpo da Madre Esperança em seu leito de morte


3 comentários:

Ivan disse...

Já foi beatificada a Madre Esperança através de sua intercessão no milagre da cura de um menino que tinha alergia a todos os alimentos.

Ivan disse...

O POÇO DE 122 METROS: conforme acidigital.com: (No) Santuário que a Madre Esperança construiu confiando na Divina Providência e obedecendo à vontade de Deus, depois da inspiração que teve de procurar água no monte onde se sabia que não havia. A religiosa cavou um poço de 122 metros de profundidade onde brotou água e o Senhor Jesus lhe disse: “esta é a água da minha misericórdia”.

Neste lugar construiu piscinas para que os doentes possam banhar-se pedindo a cura tanto física como da alma. Também há uma fonte onde podem beber a água. Perto das piscinas e da fonte se lê uma expressão da religiosa: “Utiliza esta água com fé e amor, certamente te servirá de refrigério para o corpo e de saúde para a alma”.

Ivan disse...

O POÇO DE 122 METROS: conforme acidigital.com: (No) Santuário que a Madre Esperança construiu confiando na Divina Providência e obedecendo à vontade de Deus, depois da inspiração que teve de procurar água no monte onde se sabia que não havia. A religiosa cavou um poço de 122 metros de profundidade onde brotou água e o Senhor Jesus lhe disse: “esta é a água da minha misericórdia”.

Neste lugar construiu piscinas para que os doentes possam banhar-se pedindo a cura tanto física como da alma. Também há uma fonte onde podem beber a água. Perto das piscinas e da fonte se lê uma expressão da religiosa: “Utiliza esta água com fé e amor, certamente te servirá de refrigério para o corpo e de saúde para a alma”.

Postar um comentário